Favelas do Rio de Janeiro recebem o I Festival Internacional de Circo

O Rio de Janeiro será a sede do 1º Festival Internacional de Circo, um dos maiores da América Latina, que acontecerá de 21 de junho a 1 de julho, nas comunidades pacificadas da cidade. Com o objetivo de valorizar a estética do circo contemporâneo, integrar as comunidades e deixar um legado para a cidade, o evento contará com dezenas de apresentações de companhias circenses nacionais e internacionais, com diversas sessões gratuitas. A iniciativa é da produtora M´Baraká e da ONG Crescer e Viver, com correalização da FIC – Federação Iberoamericana de Circo, presidida por Júnior Perim.
 
Serão quatro espaços principais: o Complexo do Alemão, que terá uma lona montada com 500 lugares; a Cidade de Deus, que também contará com uma lona de 500 lugares; a Praça XI, que é zona de influência do Morro da Providência e do São Carlos que utilizará a lona do circo Crescer e Viver, cuja capacidade é de 300 pessoas e a lona do Unicirco do ator Marcos Frota localizada na Quinta da Boa Vista, zona de influência da Mangueira, com capacidade para 2000 espectadores. Além das lonas, acontecerão intervenções em praças, escolas, organizações socioculturais e em espaços comunitários de todas as comunidades pacificadas, como o Borel, Santa Marta e Andarai.
 
Entre as companhias nacionais estarão em cena: Cia. Crescer e Viver de Circo, AfroCirco, Nós no Bambu, o Circo do Topetão, o Unicirco, do ator Marcos Frota, entre outros. As companhias Circolômbia, da Colômbia; La Tarumba, do Peru; Collectif and Then, da Inglaterra e MagdaClan, da Itália figuram entre as oito companhias internacionais convidadas.
 
Além das 20 companhias nacionais e internacionais que se apresentarão no Festival, o evento conta ainda com o espetáculo Movimento Perpétuo – uma atração coletiva criada, montada e concebida exclusivamente para o Festival, ancorado na temática Sustentabilidade. São 20 artistas de nove nacionalidades diferentes comandados por um diretor canadense que terão 21 dias para juntos ensaiar e apresentar um espetáculo inédito.
 
O Festival Internacional de Circo será o primeiro evento a se realizar simultaneamente em todas as comunidades pacificadas, com intenção de atrair um público de aproximadamente 50 mil pessoas durante todo o evento e criação de mais de 300 postos de trabalho temporário nas comunidades; além da formação de cem jovens como assistentes de produção.
 
O festival visa a contribuir para a principal agenda social do Rio de Janeiro que é integrar as comunidades pacificadas à cidade, expressando as expectativas do secretário de Segurança, José Mariano Beltrame: “Espero que a sociedade suba e conheça as comunidades. É o momento de diminuir aquele conceito de Cidade Partida. Precisamos invadir socialmente, espalhando o conceito e a prática de cidadania. É isso que vai mudar a cultura das pessoas, e não apenas a presença da polícia”.
 
O CIRCO CONTEMPORÂNEO
 
O 1º Festival Internacional de Circo traz à cena o circo contemporâneo, que introduz uma nova narrativa ao ambiente circense, em oposição à queda da produção criativa do circo tradicional no Brasil. São companhias que trabalham a qualidade estética, técnica e de pesquisa, aliada à dança, ao teatro e à interpretação. Seus artistas dominam a arte clássica das habilidades circenses a ponto de desenvolver uma nova relação com os aparelhos clássicos do circo, trabalhando no imaginário, no imprevisível de cada um deles.
 
A atuação social, econômica e política das companhias circenses também foi levada em consideração no momento da seleção dos espetáculos para o Festival. Na sua maioria, as companhias escolhidas possuem projetos que se dedicam a trabalhar com jovens e crianças de rua, visando o desenvolvimento social e profissional de jovens vulneráveis através do ensino das artes circenses. São escolas que trabalham o circo como empreendimento de formação profissional, que se valem do trabalho artístico como uma ferramenta de intervenção social para mudar a realidade de suas crianças e jovens.
 
A ATUAÇÃO DO FESTIVAL NAS COMUNIDADES
 
Do ponto de vista econômico, o 1º Festival Internacional de Circo terá um impacto significativo nas comunidades pacificadas nas quais terá atuação direta.
 
Além da participação direta de jovens da comunidade na mobilização do festival e na produção dos espetáculos, o festival envolverá também fornecedores locais que serão responsáveis pela hospedagem, alimentação, transporte e entretenimento dos jovens artistas nas favelas. Será um momento importante para a comunidade que poderá se beneficiar economicamente dessa integração.
 
 
 
A PROGRAMAÇÃO
 
NAS LONAS:
 
 

INTERVENÇÕES NAS COMUNIDADES:
 
21/06 – 15h – Complexo do Alemão – Invasão da Alegria e Malo, El Malisimo – Lona no Campo da Serrinha
22/06 – 15h – Andaraí – Exibições Públicas /Mini Cia. Crescer e Viver – Praça Nobel
23/06 – 15h – Santa Marta – No Pocket /Coletivo Nopok – Laje do Michael Jackson
23/06 – 15h – Vidigal – Exibições Públicas / Mini Cia. Crescer e Viver – Campinho na Vila Olímpica do Vidigal
24/06 – 15h – Batan – Exibições Públicas / Mini Cia. Crescer e Viver – Largo do Chuveiro
24/06 – 15h – Providência – No Pocket / Coletivo Nopok – Vila Olímpica da Gamboa
25/06 – 15h – Babilônia Chapéu Mangueira – Zarak Show / Circo Dux – Praça Rodinho
25/06 – 15h – São Carlos – Exibições Públicas / Mini Cia. Crescer e Viver – Quadra da Mineira
26/06 – 15h – Mangueira – Mini Cia. Crescer e Viver – Escola Municipal Humberto de Campos
26/06 – 15h – Borel – Zarak Show / Circo Dux – Largo do Terreirão
27/06 – 15h – Escondidinho e Prazeres – Exibições Públicas / Mini Cia. Crescer e Viver – Quadra da Barreira
27/06 – 15h – Rocinha – Coletivo Nopok / No Pocket – Biblioteca Parque da Rocinha
28/06 – 15h – Formiga – Mini Cia. Crescer e Viver – Escola Municipal Jornalista Brito Broca
28/06 – 15h – Salgueiro – Coletivo Nopok – Quadro do Bloco Raízes
29/06 – 15h – Vila Cruzeiro – Circo Dux – Associação Comunitária
29/06 – 15h – São João, Matriz e Quieto – Mini Cia. Crescer e Viver – Escola Municipal Dr. Mário Augusto Teixeira de Freitas
29/06 – 16h – Turano – Coletivo Nopok – Praça Del Vechio
30/06 – 10h – Local a ser definido – Encontro de Malabares
30/06 – 10h – Macacos – Exibições Públicas / Mini Cia. Crescer e Viver – Parque do Trovador
30/06 – 16h – Tabajaras – Zarak Show / Circo Dux – Lajão Cultural
01/07 – 10h – Pavão-Pavãozinho – Cortejo até o Quiosque da Globo Rio na praia de Copacabana
 
 
OS ESPETÁCULOS
 
 
Malo, El Malisimo
Através de um pequeno drama pessoal, o palhaço espanhol, Malo, El Malisimo vive números de magia, malabarismo e outros recursos circenses no curso de sua atuação, que está sempre aberta à participação e à improvisação durante o seu espetáculo.
 
Shake That
Cinco malabaristas belgas fazem um espetáculo de rua ambientado num bar. Misturando malabarismo, humor, magia, interação com o público e coquetéis exóticos.
 
Zarak  Show
O espetáculo do Circo Dux é uma homenagem à tradição circense e ressalta a importância do trabalho do artista que foi predestinado a viajar o mundo para encantar as pessoas. Com números de mágica, faquirismo e malabares, o espetáculo é uma comédia rasgada e criativa que emociona ao revelar a importância da arte, da perseverança e do amor na trajetória dos seus personagens, voltado para o público infantil, mas que encantará pessoas de todas
as idades.
 
No Pocket
Um espetáculo para todos os bolsos. O espetáculo do Coletivo Nopok utiliza as “charlas” clássicas, a música, a dança e a comédia física na criação de “gags” e cenas cômicas. No Pocket apresenta uma sucessão de números que exploram o virtuosismo técnico acompanhado por música ao vivo. O fio condutor da dramaturgia é a relação direta dos
artistas com o público, sendo o improviso parte da temática do grupo, construindo-se um novo espetáculo a cada apresentação.
 
A mágica do riso
O espetáculo de Patrick, o Mágico mistura circo, teatro e mágica, proporcionando ao público atividades de inclusão e participação. Sua proposta é tirar a lona do circo e levar o picadeiro para o maior número de lugares possíveis do Brasil, exaltando o prestígio que as artes circenses tanto merecem. Com um espetáculo interativo, ousado e, sobretudo divertido, são números realizados de uma forma clownesca, com o único objetivo de tirar as pessoas do sério, e “matar a todos”, ainda bem que é de “rir”! O show é uma verdadeira festa que celebra a vida, e apresenta uma maneira inusitada e deliciosa de se fazer mágica, valorizando a brasilidade e a pluralidade da arte do ilusionismo.
 
Triciclo
Os palhaços Protocolo e Piter Crash, acompanhados pelo músico argentino Martin Lima e seu bandoneon, expõem os encontros, desencontros e reencontros de um trio de artistas. Na tentativa de apresentar seu show, o atrapalhado trio esbarra nas dificuldades de entendimento inerentes ao homem. Triciclo mescla técnicas como teatro de bonecos e música instrumental ao vivo, trazendo para o palco toda a experiência de um grupo que nasceu e se criou na rua. O resultado é um espetáculo para todas as idades, emocionante e divertido, com refinamento
técnico, limpeza e precisão.
 
U Mano
O espetáculo U Mano da companhia circense chilena El Circo Del Mundo coloca o corpo humano como uma ferramenta de arte capaz de integrar a luta da sociedade pelo desenvolvimento e pelo poder à sua sobrevivência junto à natureza.
 
Afro Circo
O projeto da trupe do AfroReggae envolve treinamento de faixa, cama elástica e barra russa por profissionais gabaritados a jovens talentos, cujos esforços têm por objetivo capacitar e aprimorar tecnicamente os jovens para a grande arrancada profissional que acontecerá com o espetáculo Gênesis – O Começo.
 
1 + 1
1 + 1 é um espetáculo de circo peruano da companhia La Tarumba, no qual quatro artistas, e uma jovem e sua guitarra encenam elementos de trapézio duplo, acrobacias, cordas e quadro coreano em um show marcado por sensibilidade, honestidade, bom humor e cumplicidade.
 
Ultrapassa!
Sobre um cenário de bambu – marca registrada da companhia brasiliense Nós no Bambu – nove intérpretes encenam as adversidades do ambiente competitivo de forma lúdica e dinâmica, representando modalidades como corrida, canoagem, natação e ciclismo.
Salto
Salto é um espetáculo da companhia argentina Circo Social Del Sur cheio de desafios e histórias inspiradas nos desejos e sonhos de artistas treinados em acrobacias e movimentos aéreos coreografados que se combinam para recriar um espetáculo de emoções simples e únicas.
 
Passos
Passos é um espetáculo da companhia Crescer e Viver que conduz à busca de novos caminhos, cujos personagens caminham simultaneamente em diferentes planos, se deslocando em metamorfose e estabelecendo relações com aparelhos singulares e movimentações coreográficas inspiradas nas obras do artista holandês Escher.
 
Felinda
A companhia Carroça de Mamulengos conta a história das lembranças de uma moça, no qual o circo aparece trazendo uma charanga de palhaços, quatro gêmeos distintos, uma bailarina tímida, bonecos reais e seres imaginários que rondam o picadeiro de sua memória.
 
Urban
A companhia Circolombia apresenta Urban, uma retratação livre da sociedade colombiana, com sua alegria e violência, na qual a dança e a música são as válvulas de escape para a vida cotidiana.
 
Show do Topetão
Renato Ferreira comanda o show do Topetão que conta com palhaços, pernas de pau, bonecos gigantes, trapezistas e malabaristas que divertem as crianças durante o espetáculo de circo.
 
Lost Post
Lost Post é um espetáculo da companhia inglesa Collectif and then baseado no livro “Tão Forte e Tão Perto”, no qual Manhattan perde contato com o continente e seu isolamento obriga seus habitantes a encontrarem novas formas de se comunicar através de uma linguagem coreográfica, elementos acrobáticos de solo e aéreos, teatro físico e influências da dança urbana e contemporânea.
 
Unicirco Rock Show
Unicirco Rock Show do ator Marcos Frota é um musical circense com direção e concepção artística de Jorge Fernando com trilha sonora original executada ao vivo pela banda Fleeting Circus, envolvendo um elenco de 60 artistas, entre acrobatas, bailarinos, trapezistas, malabaristas, equilibristas, palhaços e músicos.
 
Roda Saia, Gira Vida
Roda Saia, Gira Vida da companhia carioca Teatro de Anônimo é o resultado de uma vivência intensa com as técnicas circenses que mergulha com humor e poesia no universo dos palhaços e das trupes mambembes de circo, redescobrindo a simplicidade e a delicadeza como referências para a realização humana e artística.
 
Magda Cabaret
Magda Cabaret é um espetáculo extravagante da companhia italiana Magda Clan, uma mistura de poesia e loucura que conta com o strip-tease de um carteiro guiando um monociclo, um malabarista com capacidades corporais sem limites sobre uma bola gigante, um grupo de dança travestido de espermatozóide em um espetáculo coreografado pelo palhaço Roberto Magro.
 
Movimento Perpétuo
Com o incrível talento de um elenco internacional de 20 artistas de circo, sob a direção de Rob Tannion, é possível evitar o colapso das sociedades, economias, ecossistemas e valores que se empilham de maneira desequilibrada, através do movimento perpétuo, onde os valores humanos como respeito, o compartilhar, a paz e a alegria se tornam a base para sustentar o futuro.
 
O espetáculo Movimento Perpétuo é um projeto do laboratório de criação em artes circenses – CRECE SUR, que consiste na criação, concepção e montagem de um espetáculo coletivo inédito composto por 20 jovens artistas circenses de diversas nacionalidades selecionados pela comissão técnica do 1º Festival Internacional de Circo. Seu objetivo é permitir aos jovens circenses e demais envolvidos no projeto compartilhar de um processo de construção com artistas de outros lugares, formações e visões artísticas distintas, usufruindo e adquirindo experiências diversas na formação do artista profissional.
 
O diretor do espetáculo, Rob Tannion é um reconhecido coreógrafo criativo e visual fundador e diretor artístico da companhia de teatro físico de Londres “Stan Won’t Dance”, que trabalha internacionalmente entre circos, musicais, anúncios, eventos, dança, teatro e filmes. Seus trabalhos realizados, somente no ano de 2011, incluem: diretor acrobático do “Spiral”  – um novo musical permanente na China; diretor e coreógrafo do espetáculo “Beautifully imperfect”  para  N.I.C.A  – National Institute of Circus Arts (Melbourne); diretor do espetáculo “Solo mientame” para o Transito 5 no Centro Nacional de Artes do México.
 
 
REALIZADORES:
 
CRESCER E VIVER
Um circo que junta arte e transformação social no picadeiro, com a missão de contribuir para o desenvolvimento humano, utilizando a cultura e as artes circenses e performáticas como elementos centrais de uma atuação focada na geração de múltiplas oportunidades de ascensão pessoal e coletiva para crianças, adolescentes e jovens. O Crescer e Viver, desde 2003, vem atuando nos campos da formação, produção, difusão e fruição das artes circenses, se consolidando como uma das principais organizações circenses do Brasil.
 
JÚNIOR PERIM
Cofundador e coordenador-executivo da ONG Crescer e Viver, atualmente é presidente da FIC – Federação Iberoamericana de Circo e, desde 2003, é um dos protagonistas do chamado circo social no Brasil.
 
Produtor cultural autodidata, ele assinou a direção de produção dos espetáculos “Vida de Artistas – a arte de construir o espetáculo” (2007), “Univvverrsso Gentileza – o mundo é redondo e o circo arredondado” (2008) e “BAIÃO – a homenagem do circo a Luiz Gonzaga” (2009) e, agora, assina a direção de produção “PASSOS – que fazem os caminhos” (2010), todos encenados pela Cia. Crescer e Viver de Circo.
 
Militante e ativista do processo sociocultural é também empreendedor social de reconhecida expressão pública no Brasil e no exterior. Vem atuando como palestrante e consultor em diversos projetos culturais, tendo participado como expositor e orador em diferentes congressos, simpósios, encontros e festivais nacionais e internacionais com destaque para: Next-Rev – Congresso Internacional de Inovação Social (Lisboa/2008); Curso de Verão dos Centros de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (Lisboa/2009); V Seminário de Apoio a Iniciativa Bairros Críticos – Arte e Empreendedorismo (Lisboa/2009); Encontro de Escola Iberoamericanas de Circo no Festival Internacional del Círculo (Lima/2010); Festival Pólo Circo (Buenos Aires/2010); Simpósio Internacional de Circo Social no RoundHouse Circus Fest (Londres/2010); e Simpósio Internacional Favelas Circus do Circunscentrum (Bruxelas/2010).
 
 
M’BARAKÁ
Grupo multidisciplinar de criativos que se uniu para potencializar a relação entre arte, cultura, design, tecnologia e estratégia, dando origem à uma jovem, porém experiente empresa que, com apenas seis anos atuando no mercado, já produziu 6 festivais de música, 5 exposições e mais de 20 espetáculos de teatro e circo, além de assistir marcas e ideias identificando conteúdos mais alinhados às suas estratégias, traduzindo a essência de suas intenções em experiências relevantes para os seus clientes.
 
 
SERVIÇO:
 
PREÇOS
Lonas Praça Onze, Complexo do Alemão, Cidade de Deus e Quinta da Boa Vista:
R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia) para idosos e estudantes conforme a lei da meia-entrada e moradores da comunidade mediante a apresentação de comprovante
de residência.
30% dos ingressos serão gratuitos, podendo ser retirados com uma hora de antecedência nas bilheterias.
O espetáculo do Unicirco Rock Show terá ingressos a R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia) para idosos e estudantes, conforme a lei da meia-entrada.
Programação completa em http://www.festivaldecirco.com.br/
 
ENDEREÇO DAS LONAS
 
Cidade de Deus – Rua Zózimo do Amaral, próximo a Av. Cidade de Deus.
Praça XI – Rua Carmo Neto, 143, Cidade Nova.
Quinta da Boa Vista – Av. Dom Pedro II, s/n, São Cristóvão. Entrada pelo portão principal da Quinta da Boa Vista.
Complexo do Alemão – Rua Nove, próximo a Estrada Velha da Pavuna, em Bonsucesso.
 
ATIVIDADES GRATUITAS:
Tomara que Não Chova
Roda-Gigante
Intervenções, oficinas e números
Cortejo
Palhaços sem Fronteiras
Mostra Extra Oficial
Encontro Internacional de Escolas de Circo – Seminários e Palestras
 

Comentários Facebook

comentários

Autor

*

* Please arrange the below number in decreasing order

Top