Faróis acesos para o desperdício

Ao sol do meio-dia, com céu azul, sem nuvens, num dos tradicionais congestionamentos quilométricos de uma capital brasileira, quase todo os carros estão parados, com seus faróis acesos. Não, os motoristas não esqueceram a luz acesa da noite anterior. Eles também não estão com qualquer problema de visão que os faça imaginar que o sol a pino de um dia claro não seja suficiente para iluminar a estrada. É apenas mais uma lei brasileira que, no mínimo, ignora qualquer noção de bom senso existente.

Agora os motoristas são obrigados a andar sempre com os faróis dos seus carros acesos, mesmo que durante o mais claro dos dias, nas rodovias brasileiras –inclusive em seus trechos urbanos. Alguns países, como a Noruega e a Finlândia, já adotavam essa medida. Mas por uma razão bem clara: lá, devido à localização geográfica, em muitos dias do ano o sol não chega nem a aparecer, e a escuridão domina as manhãs e tardes. Definitivamente não é o nosso caso. A medida já era obrigatória por aqui dentro dos túneis (de onde nunca deveria ter saído), devido à falta de luminosidade no interior dos mesmos.

abrefarois20166

A justificativa para a obrigatoriedade desse desperdício de combustível generalizado – sim, deixar os faróis acesos faz com que o carro gaste mais gasolina!– é o fato dele supostamente aumentar a segurança e evitar acidentes de trânsito, por tornar mais fácil de visualizar os veículos na pista. Os defensores da decisão se apoiam em estudos que comprovam o benefício. O problema é que esses estudos foram realizados nos países escandinavos, em dias de inverno: é claro que, num lugar onde os dias são escuros, faróis acesos vão ajudar. Além disso, os mesmos estudos demonstram que a efetividade dos faróis acesos durante o dia diminui à medida que aumenta a luminosidade natural do ambiente, como era de se esperar. Estudos comparativos mostram que os faróis ligados de dia são três vezes menos eficientes na prevenção de acidentes nos Estados Unidos que nos países nórdicos. Imagine um estudo desse tipo num dia ensolarado no Rio de Janeiro: o farol não faz diferença alguma. A única diferença prática entre o farol aceso e o apagado, de dia, é que, na primeira opção, o gasto de combustível, e, consequentemente, a emissão de poluentes, serão muito maiores. Quem paga o preço é o motorista -e o meio ambiente.

3ycrnjlb54_d2ll7sfbr_file

Qualquer indivíduo habilitado para dirigir deve ter o mínimo de capacidade visual necessário para tal. É por isso que são feitos exames de visão para tirar ou renovar a carteira de motorista. Dessa forma, é pressuposto que qualquer motorista consiga enxergar, com perfeição, outro veículo a caminho na pista durante o dia. Se o farol está aceso ou apagado, pouco importa. E nem poderia importar: é leviano imaginar que o farol de um carro ilumina mais que o sol forte brasileiro num dia de verão.

AUTOR:

Jose_octavio_colunistafixo-2

Comentários Facebook

comentários

*

* Please arrange the below number in decreasing order

Top