Cria do Alemão investe em site para vender e alugar imóveis nas comunidades

O morador de favela sabe o quanto é complicado vender ou até mesmo alugar um imóvel na comunidade, não é mesmo? O telefone toca, do outro lado da linha é ouvido o endereço: “Ah… Mas é na favela, né!?” e logo perdem o interesse no imóvel. “Bem que estranhei, tá barato demais! Qualquer coisa eu ligo”. Por ver os pais passarem por diversas vezes pela situação, Leandro Bandeira se juntou ao amigo Anderson Martiniano para criar o Moraste, uma plataforma de classificados de imóveis para a favela.

“Eu percebi como era difícil comprar ou vender imóveis na favela quando meus pais queriam vender a casa que a gente tinha no morro do Alemão. Era difícil encontrar interessados e acabamos tendo que reduzir o preço do imóvel pois só encontramos um comprador”

Laje para poder construir em cima; facilidade de pagamento e permutas (o famoso troca troca); uma boa localização e fácil acesso para transportar móveis e objetos entre os becos até chegar na residência são alguns dos fatores importantes na hora de vender ou comprar um imóvel na favela e a plataforma, que ainda é bem simples, faz um filtro com todas as necessidades mais procuradas.

“Nos sites de imóveis tradicionais, você escolhe a cidade, o bairro e fica limitado a isso. No Moraste, o nome dos bairros são substituídos pelas comunidades. A gente pode abrir para qualquer área aqui no Rio, basta alguém mandar mensagem que a gente abre uma nova aba” – analisa o empresário de 29 anos.

Lançado em abril de 2016, o site atende o Complexo do Alemão, Penha, Maré e Rocinha, mas a dupla pretende logo expandir para outras comunidades. “Nossa estratégia é validar aos poucos o nosso modelo e criar um produto muito relevante para cada comunidade. E começar pelo Alemão foi uma estratégia bastante significativa pelo fato da gente conhecer bastante o ambiente e o poder conversar corpo a corpo com moradores”, diz Anderson.

O projeto foi um dos selecionados para a incubação da turma de 2017 da abeLLha, incubadora de negócios de impacto social baseada no Rio de Janeiro. “Ficamos muito felizes quando conhecemos o Moraste. O mercado de imóveis nas favelas é grande e tem muito potencial de escala”, conta Ana Julia Ghirello, fundadora da abeLLha.

“Agora estamos em busca de investimento e patrocínio, pois é importante para acelerar o crescimento do site. Queremos investir mais em tecnologia e propaganda para conseguir atingir várias comunidades de forma rápida”. – diz o CEO da plataforma.

Moradores de favela que tiver interesse em anunciar no site podem entrar em contato através das redes sociais: Facebook: morasteimovel / Insta @Morasteoficial ou acessar a plataforma pelo site www.moraste.com.br/

Comentários Facebook

comentários

*

* Please arrange the below number in decreasing order

Top