Exploração infantil não é brinquedo não!

Normalmente nos deparamos com uma criança pedindo moedas no trânsito. Uma mãe pedindo esmola no semáforo com o filho nos braços. Ás vezes essas pessoas estão nos transportes públicos também, ônibus, metrô e etc. Conseguimos enxergá-los pois estão presentes em nosso cotidiano. Mas existem muito mais crianças no interior, em situação assim ou pior, trabalhando para a sobrevivência familiar. Milhares de crianças ainda deixam de ir à escola e ter seus direitos preservados e trabalham desde cedo na lavoura, campo, fábrica ou casas de família, em regime de exploração, quase de escravidão, já que muitos deles não chegam a receber remuneração alguma.

Casas de família com babás de 13/14 anos que ficam com recém nascidos e até acompanham o crescimento deles. Longe de suas famílias perdem contato, “ganham” esse novo domicílio. Fábricas de carvão, minério até cana de açúcar recrutam essas crianças pra trabalho. Não é uma realidade distante, basta procurar pelo interior do Brasil ao verificar que onde se concentra o índice de exploração são nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

As crianças tratam de uma nova geração, que já começa sabendo de perto um dos nossos maiores desafios. Ainda é difícil ter a dimensão do quanto isso é prejudicial a uma criança, que segundo a constituição deveria ser amparada e cuidada para ter seu desenvolvimento assegurado. Esse problema deve ser combatido e o amparo a essas crianças tem que acontecer. Não devemos entregar o nosso futuro a sorte de vencer essas dificuldades. Estamos lidando com a continuação do desenvolvimento da nossa nação e cidadães do mundo também. Esse trabalho é de todos que tem comprometimento com a humanidade.
Trabalho não é coisa de criança. Exploração de trabalho infantil é crime. Denuncie discando 100
A novinha não está sensacional. Pedofilia é crime. Denuncie discando 181.

SOBRE O AUTOR:

IMG_20150727_112156Meu nome é Jandesson Antero, tenho 20 anos, sou estudante e curso Ciências Econômicas na Universidade Federal da Paraíba. Me divido entre João Pessoa (Mangabeira) e Baía da Traição.

Twitter: https://twitter.com/srantero

Comentários Facebook

comentários

*

* Please arrange the below number in decreasing order

Top