Conheça a história do telefone

O dispositivo foi inventado por volta de 1860 por Antonio Meucci que o chamou eletrofonecado, como reconheceu o Congresso dos Estados Unidos na resolução 269, de 15 de junho de

O dispositivo foi inventado por volta de 1860 por Antonio Meucci que o chamou eletrofonecado, como reconheceu o Congresso dos Estados Unidos na resolução 269, de 15 de junho de 2002. Há muita controvérsia sobre a invenção do telefone, sendo esta geralmente atribuída a Alexander Graham Bell. A primeira demonstração pública registrada da invenção de Meucci teve lugar em 1860, e teve sua descrição publicada num jornal de língua italiana de Nova Iorque.

No Brasil os primeiros telefones foram instalados no Rio de Janeiro. Em 1883 a cidade contava com 5 centrais telefônicas, cada uma com capacidade para 1000 linhas, também funcionava a primeira linha interurbana, ligando o Rio à Petrópolis.

A primeira empresa brasileira foi a Brazilian Telephone Co., que depois de passar por diversos proprietários, é incorporada, em junho de 1889, à Brasilianische Elektricitats Geselschaft, com sede em Berlim, que ganhou uma concessão de 30 anos.

Em 1906, um incêndio destrói a central telefônica na Praça Tiradentes, no Rio, deixando a cidade sem telefone por 7 meses.

No Rio Grande do Sul o serviço telefônico iniciou em 1885, em Pelotas, com a União Telefônica.
Em Portugal as primeiras experiências de telefone iniciaram-se em 24 de Novembro de 1877, ligando Carcavelos à Central do Cabo em Lisboa. A primeira rede telefônica pública foi inaugurada em Lisboa a 26 de Abril de 1882 pela Edison Gower Bell Telephone Company of Europe Ltd que tinha a concessão atribuída desde 13 de Janeiro de 1882. A concessão foi transferida para a The Anglo Portuguese Telephone Company (APT) em 1887 que a manteve até 1968.

O primeiro serviço de telefone automático foi inaugurado em Portugal em 1930 e em 25 de Setembro de 1937 a APT inaugurou a primeira estação automática na Estrela em Lisboa. Nesse ano a rede da APT tinha 48 000 assinantes.

Deixe comentário