Coletivo Brota na Laje faz vaquinha online para ajudar famílias das favelas da Tijuca

Ação começou para apoiar famílias dos estudantes do pré-vestibular comunitário do coletivo e agora vai se estender a outras comunidades próximas

Coletivo Brota na Laje faz vaquinha online para ajudar famílias das favelas da Tijuca

O Coletivo Brota Na Laje, que atende a todas favelas da Tijuca e comunidades do Alto da Boa Vista, na zona Norte da cidade do Rio de Janeiro, criou uma vakinha online para apoiar famílias da região afetadas pela pandemia do novo coronavírus. 

Em março, o pré-vestibular comunitário promovido pelo coletivo começou com 50 inscritos, contudo, teve que interromper suas atividades devido às medidas de isolamento social. Com a paralisação das aulas, os 14 integrantes do Brota Na Laje perceberam os impactos da pandemia não somente nos estudos mas também nas necessidades básicas dos estudantes, que tiveram suas famílias atingidas pelas medidas de combate ao coronavírus e decidiram buscar recursos para ajudar.

Essa demanda veio dos alunos no início do isolamento social, que tinham essa necessidade, e nós como coletivo fomos buscar doações e fundos para tentar ajudá-los. Conseguimos fazer doações nesse primeiro mês, atendendo 15 famílias, com cestas básicas e kits de higiene e máscaras, e também conseguimos ajudar os moto-táxis da região”, relatou uma das líderes do Brota na Laje, a estudante de Biblioteconomia Blenda Paulino, de 21 anos.

Blenda Paulino

Governo Federal divulga calendário da terceira parcela do Auxílio Emergencial

O Brota na Laje busca expandir a ação, por causa da demanda que se ampliou para além da área da rede de alunos até outras favelas, nas quais também moram famílias que necessitam de itens básicos em suas casas. “Essa vaquinha é para que possamos continuar ajudando essa rede que foi além dos nossos alunos e estender a outras comunidades próximas de nós. Olhar pro lado e ver um amigo nosso que perdeu o emprego por conta da pandemia e precisa de ajuda, é uma forma de pelo menos nos levantarmos de alguma maneira, que não vamos morrer de tiro, fome, e nem de vírus

Como ajudar

O coletivo agora pretende arrecadar mais recursos e dar continuidade ao trabalho, que vem sendo fundamental na manutenção de tantas vidas nas favelas. Faça a sua doação: