Em formato de novela, projeto audiovisual registra o cotidiano da Rocinha

Trabalho desenvolvido por dois amigos, “As Margens – A novela da Rocinha” aposta na favela como potência artística

Em formato de novela, projeto audiovisual registra o cotidiano da Rocinha

Foto: Divulgação / As Margens – A Novela da Rocinha

Nos últimos anos, a produção artística dentro das comunidades cariocas tem sido explorada de diversas maneiras, principalmente como ferramenta de transformação social e de registro histórico do cotidiano dos moradores nesses espaços.

É reunindo esses dois fatores que dois amigos, Felipe Lucena e Patrick dos Santos, idealizaram a web série “As Margens – A novela da Rocinha”, que acontece na favela da Zona Sul do Rio de Janeiro. E, agora, amplia o seu formato e transmissão para o modelo de novela.

“Uma das principais ideias do projeto é falar de arte na favela. Mostrar esse lado dos artistas periféricos, suas vidas, seus trabalhos, tudo isso se desenrolando na trama que estamos escrevendo, com os personagens e as situações roteirizadas”, explica o diretor e jornalista Felipe Lucena.

A novela retrata o cotidiano dos moradores e artistas da Rocinha, na Zona Sul do Rio de Janeiro.
Foto: Divulgação / As Margens – A novela da Rocinha

Com cerca de 15 minutos, os episódios de As Margens – A novela da Rocinha são transmitidos todas terças e quintas-feiras, às 20h, no canal do Youtube da iniciativa. Atualmente, o programa audiovisual está no seu quarto episódio. De acordo com Felipe, a ideia surgiu através da sua continuidade em ações e projetos dentro das comunidades do Rio de Janeiro.

“Eu, Patrick e Bruna Rios (a atriz que faz a Sarah na novela) estávamos em outro projeto de web série, também em favela. Mas acabamos saindo e decidimos iniciar algo nosso. Como Patrick e Bruna já fizeram muitos trabalhos de audiovisual e outras ações na Rocinha, e conhecem muita gente por lá, pegamos um roteiro de um longa que eu havia escrito há uns anos e adaptamos para uma web série que se passa na favela”, detalha.