Em meio a pandemia, Clínica da Família é fechada devido à operação policial em Manguinhos

Polícia Militar realiza ação nas comunidades do Jacarezinho, Manguinhos e Mandela

Em meio a pandemia, Clínica da Família é fechada devido à operação policial em Manguinhos

Em meio a pandemia, a Clínica da Família Victor Valla, em Manguinhos, não funcionará nesta segunda-feira (19). O motivo é o clima tenso e muitos tiros na região. Uma operação policial está ocorrendo nas comunidades do Jacarezinho, Manguinhos e Mandela, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar confirmou que o Comando de Operações Especiais (COE) está realizando ação no Jacarezinho, Manguinhos e Mandela. Policiais militares do Batalhão de Ações com Cães (BAC), do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq) e do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) estão atuando nas comunidades. Segundo a PM, as ações continuam em andamento.

Devido ao tiroteio, a circulação do ramal Belford Roxo acontece apenas no trecho Belford Roxo <> Del Castilho. As partidas da Central do Brasil estão suspensas desde 5h40. As vias interditadas, Avenida Dom Helder Câmara e a Rua Leopoldo Bulhões, foram liberadas por volta das 7h15.

Além de acordar ao som de intenso tiroteio, moradores do Jacarezinho estão sem luz desde o início desta manhã. A Light informou que só entrará na comunidade para restabelecer a energia dos clientes quando houver condições de segurança para seus técnicos executarem os reparos necessários.

Vale lembrar que as operações policiais em favelas do Rio de Janeiro permanecem suspensas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) durante a pandemia. As operações só podem ser realizadas “em hipóteses absolutamente excepcionais, que devem ser devidamente justificadas por escrito pela autoridade competente”.

De acordo com dados do Fogo Cruzado, as ocorrências de tiroteios voltaram a subir. No mês de setembro, a plataforma registrou 315 tiroteios/disparos de arma de fogo na Região Metropolitana do Rio. Em 74 destes, houve participação de agentes de segurança. Ainda segundo o Fogo Cruzado, comparado ao mês de agosto houve um aumento de 6% no volume de disparos e aumento de 17% de tiroteios com a presença de agentes de segurança.