Foto: Matheus Guimarães / Voz das Comunidades

A medida determina que por pelo menos 7 dias as favelas do Rio tenham seus comércios fechados a partir desta terça-feira (12), como forma de conter a disseminação do novo coronavírus. Segundo o decreto, apenas farmácias e mercados poderão funcionar normalmente. Não se sabe ainda como será feita a fiscalização por conta das especificidades de cada favela. Rocinha é prioridade. A favela preocupa por estar em primeiro lugar nos casos confirmados e com o maior número de mortes por COVID-19.

“Muitas pessoas ainda não se deram conta da necessidade de evitar aglomerações, de ficar em casa, e somente sair para realizar trabalhos essenciais e atender a necessidades inadiáveis. Ao se exporem desnecessariamente, fazem o mesmo às demais pessoas, o que aumenta a propagação do vírus e a sobrecarga nos hospitais, aumentando o risco de mortes. Precisamos impedir que mais pessoas adoeçam e haja casos graves chegando às unidades de saúde do município. Nossa intenção é prevenir para salvar mais vidas e permitir que os hospitais tenham melhores condições de atender a todos”, afirmou Crivella.

As favelas do Rio estão sofrendo com as aglomerações que insistem em acontecer por falta de responsabilidade de algumas pessoas, e a consequência disso é o aumento de casos de pessoas infectadas pela COVID_19. Por isso lembre-se, o isolamento social é essencial para o retorno das nossas atividades, se puder fique em casa e não participe de aglomerações.

COMPARTILHAR