Artesã do Alemão se destaca por chinelos decorados e filtros do sonhos

Luciane dos Santos trabalhou com enfermagem e também já foi copeira, mas atualmente a empreendedora expõe seus produtos na feira de Inhaúma
Foto: Selma Souza

Lu Art Decoração em Chinelos foi um respiro na vida da artesã Luciane dos Santos da Silva. Há dez anos, a moradora da Fazendinha, no Complexo do Alemão, viu sua trajetória tomar outros rumos após passar pela depressão. A arte a salvou e deixou a história dela e de quem compra seus produtos com mais cor. A empreendedora aprendeu a fazer chinelos decorados com uma amiga e, a partir daí, não parou mais. “ O artesanato foi a minha cura. Eu tive mal e isso aí foi uma corda que jogaram pra mim no fim do túnel. Eu peguei e fui escalando até em cima. O médico tinha falado que eu tinha que arrumar algo pra fazer, que ocupasse a minha mente”, revela hoje Luciane com um sorriso no rosto.

A artesã já trabalhou como técnica de enfermagem e também já foi copeira. No entanto, resolveu viver somente do artesanato, fazendo aquilo que a faz mais feliz. No início, vendia para os colegas, que davam força e acabavam comprando os chinelos. Hoje em dia, ela relembra com carinho dos primeiros passos. “No começo era bem precário, porque eu não sabia fazer direito, né?”, relata. Depois disso, Luciane passou a divulgar seus trabalhos nas redes sociais para atrair novos clientes. 

Chapéu e chinelo fazem parte de um kit encomendado por uma cliente
Foto: Selma Souza

Não só de chinelos vive a Lu Art!

Luciane mudou para o Complexo do Alemão dois dias antes do fechamento oficial dos serviços e comércios devido à pandemia. Revela que as coisas ficaram difíceis, assim como para a maioria dos brasileiros. Em meio às dificuldades, continuou vendendo seus artesanatos , mesmo com a crise da economia. A empreendedora, que expõe seus produtos na feira de Inhaúma, elogia a clientela da região. “Aqui eles dão muito valor ao meu trabalho e entendem o preço que cobro pelos produtos”. explica.

Os chinelos produzidos pela artista têm personalidade e cada um sai de uma forma. Os calçados podem ser elaborados de acordo com o gosto do cliente. E para manter a qualidade, Luciane só usa chinelos de uma marca famosa. Mas não se limita somente a eles: também decora chapéus, faz porta-guardanapos e tem um carinho especial pelos filtros dos sonhos. “O chinelo é legal porque cada um tem um gosto diferente, mas os filtros eu comecei a fazer porque eu sou muito ligada a essa coisa de energia. E aí eu comecei a fabricar eles assim, de forma diferenciada também. Se eu fizer um filtro, não vai ter outra pessoa com o mesmo. Eu não consigo fazer igual”. diz a artesã.

Filtros dos sonhos produzidos por Luciane
Foto: Selma Souza

Quem se interessar pelo trabalho da artesã, pode procurar as redes sociais Luart Chinelos ou entrar em contato pelo WhatApp através do número 98178-8204. 

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]