Atual campeão brasileiro sub-21, judoca do Alemão busca vaga nas Olimpíadas de Paris 2024

Cria localidade das Casinhas, Ryan é mais um dos alunos da Associação Nagai que vem conquistando seu lugar no mundo

Foto: Guilherme Oliveira / Voz das ComunidadesFoto: Guilherme Oliveira / Voz das Comunidades

Atualmente, o Judô é a competição individual que mais deu medalhas olímpicas ao Brasil. São ao todo 22, sendo 4 ouros, 3 pratas e 15 bronzes. E, a cada novo ciclo olímpico que se inicia, novas promessas no esporte surgem para tentar aumentar esse quadro de medalhas. Uma destas jóias é um morador do Complexo do Alemão, Ryan Conceição, de 19 anos. O jovem judoca é o atual campeão brasiliero de Judô e está cotado para as Olimpíadas de Paris 2024.

Nascido e criado na localidade das Casinhas, no Alemão, Ryan é mais um aluno de projeto social que vem conquistando seu lugar no mundo. Desde os seus 10 anos, ele faz parte da Associação Nagai de Judô, uma iniciativa social da comunidade, e hoje é um dos principais jovens atletas do cenário do Judô nacional.  

Ryan Conceição acabou se tornando referência para outros da Associação Nagai, principalmente para os mais novos alunos e frisa a união da equipe nas conquistas: “Todos vencemos juntos”
Foto: Guilherme Oliveira / Voz das Comunidades

Início no judô

Ryan deu os primeiros passos no Judô aos 10 anos, através da sua avó. Em pouco tempo, ele chamou atenção de todos com sua técnica e começou a disputar títulos regionais, sempre se destacando. Em 2016, Ryan começou a ser figurinha carimbada nos eventos nacionais de Judô.

No ano seguinte, um pequeno baque na sua vida pessoal. A maior incentivadora da sua carreira no Judô, sua avó Cleide Guimarães, faleceu. Desde então, as vitórias e conquistas passaram a ter uma motivação para homenageá-la.  

“Minha avó sonhou tudo pra mim, sempre morei com ela. Ela era rígida comigo, mas era para o meu bem, e se não fosse ela não estaria aqui hoje. Acho que ela estaria feliz em ver onde cheguei ”. 

Em 2019, o judoca vivia um bom momento na carreira, mas, com a chegada da pandemia, viu seu progresso ser interrompido. Após um difícil período de treinos de forma on-line em sua casa, o ano de 2021 marca a retomada em alto nível do atleta.

Campeão Brasileiro

Em novembro, em São Paulo, Ryan se consagrou campeão brasileiro sub-21 na categoria de 60kg. “Não foi um campeonato fácil, mas eu estava bem concentrado e consegui dar esse orgulho para minha sensei. Faz valer todo esse trabalho que estamos fazendo, que está dando certo”. O título serviu como uma resposta do atleta, após ficar de fora do mundial da categoria, realizado em junho. Com a conquista do nacional, Ryan vai disputar no próximo dia 18 de dezembro a Seletiva Nacional Sênior, que faz parte do Projeto Paris 2024, e pode conseguir integrar a seleção principal.  

Muito mais que a projeção para o Judô nacional, Ryan ressalta a importância da filosofia da Nagai na sua vida. “Era uma criança difícil, não tinha muita disciplina, e o Judô mudou tudo isso. Ele vai além do esporte, é uma filosofia de vida“. A Nagai é uma tradicional academia de Judô, fundada em Recife em 1972.  A Associação iniciou sua atuação no campo social em 2012 no Complexo do Alemão, utilizando o Judô como uma ferramenta de transformação social.

Foto: Guilherme Oliveira / Voz das Comunidades
Sensei Silvana ressalta a falta de incentivo das instituições para melhorar os projetos sociais estabelecidos em favelas
Foto: Guilherme Oliveira / Voz das Comunidades

Responsável por esse projeto nestes quase 10 anos, a sensei Silvana Nagai, de 49 anos, conta como Ryan foi crescendo em sua jornada dentro e fora dos tatames. “Centenas de crianças que já passaram por aqui, vários talentos começaram a surgir, mas o Ryan demonstrou este talento muito cedo, principalmente por sua resiliência, em reverter cenário das lutas. Sempre quis trabalhar com projeto social para dar oportunidade para o talento desses meninos. Este cuidado vale também para a formação educacional, que sempre foi um dos principais objetivos da Nagai”.

Uma das principais dificuldades da Nagai, atualmente, é justamente dar este suporte tanto na educação quanto no esporte. Apenas uma aluna do projeto é bolsista. O Instituto Batista de Ensino foi o único colégio particular que cedeu esta vaga à Nagai. “Manter um Ryan não é fácil. Para manter um projeto social, não é fácil. Mas o prazer que tenho de realizar tudo que realizamos, mesmo com essas dificuldades, não tem palavras para descrever”. 

Hoje, a Associação Nagai possui cerca de 150 alunos, entre eles crianças, adolescentes e jovens do Alemão. O projeto fica localizado na rua Carmen Cinira, número 38,  próximo às localidades Canitar e Casinhas.