Biblioteca comunitária da Providência promove “vakinha” para concluir obras; saiba como ajudar

Professor, Flávio Ribeiro, que teve sua vida mudada através do estudo, agora busca dar a mesma oportunidade para jovens da sua comunidade

Biblioteca comunitária da Providência promove “vakinha” para concluir obras; saiba como ajudar

Foto: Divulgação

Morador do Morro da Providência, o professor de capoeira Flávio Ribeiro, de 43 anos, há um ano iniciou o sonho de construir uma biblioteca comunitária no Morro da Providência, Zona Central da cidade, para crianças e jovens da localidade. Atualmente, a obra está em reta final e ele pede ajuda para concretizar o seu sonho. 

Há mais de 20 anos, Flávio é o responsável pelo Centro de Treinamento de Artes Marciais Providência. Porém, durante a pandemia da Covid-19, as aulas foram interrompidas. Com isso, ele aproveitou o tempo disponível e começou a trabalhar na construção de algo que ele tinha idealizado há algum tempo: uma biblioteca comunitária dentro da sua favela.

Esta luta pela construção de uma biblioteca é a forma que o professor teve de demonstrar sua gratidão pelo estudo, que transformou sua vida. Na sua juventude, Flávio tinha recém-saído do tráfico de drogas e estava há 18 anos sem estudar. Ao conhecer um projeto social, teve a vida mudada graças à educação. Hoje ele estuda Direito e está no 7º período do curso. Ele acredita que a educação pode mudar a vida de outras pessoas da comunidade. 

Conclusão das obras

A construção da biblioteca “Dodô da Portela” faz parte do projeto “Mãos à Obra, Providencie: União, Paz, Solução e Construção” e contou com a ajuda de doadores através da vaquinha criada no ano passado. As obras seguiram bem e, atualmente, segundo o orçamento levantado, a porta que falta na frente da biblioteca custa em torno de R$ 3.400. 

“O sentimento é de prazer. Sentimento que estou fazendo meu trabalho bem feito, que estou onde queria estar. Como cria do Morro da Providência, na minha infância não tive essa oportunidade de ter uma biblioteca. E hoje, se, depois de 18 anos, tive a oportunidade de voltar a estudar para ganhar os prêmios que ganhei, e fazer minha faculdade, é porque a educação realmente transforma. A educação transforma as pessoas e as pessoas transformam o mundo”, ressalta o professor Flávio.

Diariamente, cerca de 20 crianças já utilizam o espaço. Flávio segue na busca por doações, para ajudar na conclusão das obras da biblioteca comunitária. É possível ajudar doando através da vaquinha online.