Concurso Rainha da Favela abre inscrições para segunda edição

A vencedora leva para casa o prêmio de R$ 1.000,00, book profissional e contrato de um ano como Rainha da Favela

Concurso Rainha da Favela abre inscrições para segunda edição

Concurso de beleza Rainha da Favela, abre inscrições para a segunda edição. A pré-seletiva será dia 31 de outubro, às 10h, no Instituto de Cidadania Unidos da Tijuca, localizado na Rua São Miguel, número 430, na Tijuca. A vencedora leva para casa o prêmio de R$ 1.000,00, book profissional e contrato de um ano como Rainha da Favela.

Na primeira edição do concurso, em 2016, apenas moradoras do Morro da Formiga e do Borel podiam concorrer a Rainha da Favela. O projeto cresceu e este ano incluirá participantes do Morro do Salgueiro, Andaraí, Casa Branca, Mangueira, Formiga e Borel.

Stephany Marçal, do Morro do Borel, foi a vencedora da primeira edição. Foto: Carlos Lucio

O valor da inscrição é de R$ 40,00 e é exigido a xerox do RG, CPF, comprovante de residência e duas fotos 3×4. As modelos devem comparecer vestidas com uma blusa preta sem estampa, calça jeans e salto alto. Menores de idade que desejam participar é necessário o acompanhamento do responsável. O uso de máscara é obrigatório.

As concorrentes serão entrevistadas e responderão perguntas básicas, como nome, comunidade que pertence, idade, o que faz, se tem o sonho de ser modelo ou já trabalhou com moda. Todas as participantes farão uma apresentação artística de sua preferência, para mostrar desenvoltura no palco e com o público. Também será feito um portfólio das modelos que ficará arquivado com a RF Moda’s Management. Esse dossiê será utilizado para indicar modelos às agências e será válido para todas, incluindo as concorrentes não selecionadas.

A agência de moda RF Moda’s Management, foi criada como extensão do concurso com intuito de dar continuidade a iniciativa Rainha da Favela. “O intuito é protagonizar essas jovens. A segunda edição tem como objetivo captar mais jovens para o mercado da moda, formalizar e ajudar elas a crescerem. Mesmo que muitos não se tornem modelos profissionais, mas que a gente possa ajudar na formação, ajudar como pessoa e mostrar que a favela tem potencialidade para chegar em qualquer lugar”, diz Eduardo Rosa, idealizador do concurso e diretor da RF Moda’s.