Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Em grande noite na Cidade do Samba, nova Corte Real é eleita para o Carnaval 2024

Gabriela Mendes Ribeiro, representando a Mocidade Independente de Padre Miguel, foi eleita Rainha do Carnaval 2024
Corte Real do Carnaval
Foto: Fernando Maia / Divulgação / Riotur

Depois de um mês inteiro de etapas com mais de 100 candidatos, o concurso Rei Momo e Rainha do Carnaval de 2024 finalmente tinha chego à sua final. A estrutura montada pela Riotur junto com a Prefeitura do Rio Janeiro recebeu os e as representes de 12 agremiações diferentes, que disputaram a coroa, o cetro e o trono na Corte Real do Carnaval 2024.

Noite de Brilho na Cidade do Samba

Antes mesmo dos portões abrirem, fãs do carnaval já formavam fila nos portões da Cidade do Samba. O amor à escola já estava estampado nas cores das camisetas, na maquiagem nos olhos, na cor do batom, nos balões coloridos e nas faixas com os nomes dos competidores. “Vai dá Bruneca!”, ecoa voz feminina de muitos anos no meio da multidão. A mulher preta aparenta ter 60 anos e conversa com amigas que estão vestidas as mesmas cores: verde e rosa. Quase que simultaneamente, atrás delas, cerca de 30 pessoas de vermelho e branco se amontam no portão. É torcida do Salgueiro, se organizando Danylo, candidato a Rei Momo do carnaval carioca.

Olhares curiosos e ansiosos correram pela noite na Cidade do Samba
(Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades)

Quando os portões se abrem, o público anda por corredor de grandes galpões ondes as escolas de samba montam alegorias e fantasias. Caminhar por trecho que leva até o pátio central da Cidade do Samba desperta uma ansiedade boa pra quem é fã de carnaval. É em cada um desses galpões que acontece os bastidores de grandes mágicas que acontecem, somente, na Marquês de Sapucaí. No pátio central, quem recepciona os visitantes é o par de esculturas de malandros posicionados no meio de um gramado de cerca baixa. Eles já estão ali há muitos anos e, se estátuas falassem, teriam histórias de quantas fotos já teriam aparecido como fundo. Não sei se eles se queixariam do seu vizinho mais novo. Chegou ali há menos de um ano e já chama a atenção de todos desde que se instalou. A imagem todo mundo já conhece, São Jorge, imponente sob seu cavalo, ataca o dragão. E partir da visão de Paulo Barros, aquela imagem trouxe além de um novo significado. Trouxe vida e tirou o ar de uma Sapucaí inteira, no desfile da Vila Isabel de 2023.

Torcida marcou presença na Cidade do Samba para a final da Corte Real do Carnaval
(Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades)

O palco estava pronto. Em um formato de T, apresentadores e candidatos andavam livremente por um palco de cerca de 1,60 m acima do chão, o que proporcionava uma visão boa para todos os presentes. Deu tempo das torcidas chegarem e se organizarem para assistir a grande final do Rei Momo e Rainha do Carnaval do Rio 2024.

Coreografados por Mayara Lima, Rainha do Paraíso do Tuiuti, bailarinos se posicionaram na palco. Cada um dando uma pitada inicial do que viria pela frente: uma final difícil para os jurados. Trajadas com vestidos de festa, as candidatas à corte foram coroadas no início do desfile por chegarem à etapa final do concurso, seguidas pelos candidatos ao posto de Rei Momo do Carnaval, que mostraram desenvoltura à frente do público.

A apresentação dos meninos ocorreu primeiro. Um a um, os cadidatos entravam ao som de uma batida mais lenta da bateria. Na cadencia da malandragem de um Rio de Janeiro carnavalesco, os reis momos finalistas chegavam ao centro do palco para encontrar Jorge Perlingeiro, o grande apresentador da noite. Respondendo perguntas sobre suas respectivas trajetórias e sobre a importancia do carnaval para eles, os candidatos revelavam a sua forma de expressão, simpatia e desenvoltura – o que era contabilizado pelos olhares atentos dos juízes. Finalizada a sessão de perguntas, a bateria engavatava a quinta marcha e velocidade máxima. Era nesse momento que os candidatos percorriam o palco se apresentanto tanto para os jurados, como imprensa e, obviamente, público e torcida.

Depois dos meninos, chegou o grande momento das meninas. As candidatas à Corte Real, desta vez, desfilavam em fantasias cuidadosamente e especialmente criadas para o final do evento. A primeira cadidata da noite, Tati Rosa, de 29 anos, representando Imperatriz Leopoldinense, hipnotizou com uma fantasia esplendorosa. Com muitas penas que serviram de explendor e asas, Tati usou uma fantasia com cores laranja e dourado. Na cabeça, uma coroa de base vermelha, num tom que não fugia tanto das cores da fantasia.

Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades

Depois da representante da IImperatriz Leopoldinense, as meninas das outroas agremiações foram se apresentando, uma a uma, para os presentes. Ana Carolina de Souza, de 33 anos, representando Unidos de Bangu chegou à final da Corte de Carnaval com uma fanta grande também. Trabalhada no vermelho, as penas de faisão da indumentária da passistinha tinha 2 metros, com um costeiro marcante de cores em tons escuros de vermelho e verde. O contrastre com os detalhes em dourado brilhavavam nas luzes da Cidade do Samba.

Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades

A terceira a se apresentar foi a Luciene Tavares Rodrigues Pastor, de 39 anos, representante de Grande Rio. Esperada por uma torcidade fiel, Luciene Santinha veio com uma fantasia com as cores da agremiação, o vermelho grená e diferentes tons de verde escuros. Detalhes em preto no costeiro também ajudaram também destacaram acima da cabeça. Mesmo com o leve tropeção que passou enquanto conversava com os jurados, Luciene sambou bonito e arrancou aplausos de todos.

Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades

A quarta concorrente, Patrícia Miranda Terra, representando o Salgueiro, surgiu no palco com uma fantasia toda em vermelho. Estratégicamente, a passista abriu o costeiro quando a bateria encerrou o seu primeiro ato. Antes reto, o explendor da fantasia ganhou volume e tamanho. De acordo com a escola, Patrícia usou uma fantasia toda em vermelho com muito brilho.

Gabriella Mendes Medeiros, 20 anos, representante da Mocidade Independente de Padre Miguel chegou com um completo degradê do verde com as cores da escola. A estrela, símbolo da agremiação, também estava presente na fantasia, sendo muitas coladas à fantasia ao longo do dorso, mangas e cabeça. A candidata se emocionou enquanto falava sobre a sua trajetória na disputa do concurso. A simpatia e o samba no pé de Gabriella tirou gritos e palmas do público e dos jurados

Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades

Letras V na torcida da Portela já começavam a pular antes mesmo de Jorge Perlingeiro anunciar a Victória de Campos Peixoto, de 24 anos. O grito da águia pré-anunciou a entrada da candidata, que entrou com uma fantasia azul e branco, as cores da escola. Era a primeira vez de Victória na passarela da Corte Real do Carnaval e ela apresentou uma fantasia que mostrou desde penas brancas até tons de cinza e preto, com pontas em azul. Victória mostrou um sorriso e simpatia para os jurados. E a torcida não deixou barato, ferveu bastante enquanto a moça, que acendeu leds azuis da fantasia, mostrava o samba no pé.

Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades

Andressa Regina Silva Marinho, conhecida como Dedê Marinho, sob muitos gritos da torcida da Unidos de Padre Miguel. Com uma fantasia representando a chama do boi vermelho, moça trouxe uma idumentária com penas vermelhas e amarelas. As penas da parte de trás do costeiro, eram cinza escuro e com as pontas amarelas, o que harmonizava com a moça. Andressa fez bonito antes de sair do palco.

Sendo a única representante de uma escola que desfila na Intendente Magalhães, Samara Trindade Monteiro Barbosa, de 19 anos, trouxe a Academicos da Rocinha para a final da Corte Real do Carnaval de 2024. Com uma fantasia representando o bailar das borboletas, Samara vestiu uma fantasia nas cores de prata, verde e azul. A oitava candidata da noite celebrou junto com a torcida que se aglomerou na frente da torcida.

Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades

O nome da nona candidata da noite fez o jornalista revisar as anotações algumas vezes pra ver se não errava nada. Thuane de Oliveira Rozario Werneck Maria Ribeiro, 26 anos, veio representando o Império da Tijuca. O Morro da Formiga veio bem representado pela candidata, que mostrou simpatia na sua primeira vez na final da Corte Real. Na apresentação, Thuane Werneck usou uma fantasia em tons de verde escuro e claro, representando o verde da primeira imperial e a Floresta da Tijuca. Fitas brilhantes ao longo das pernas vinham de tons de um gradiente que ascendia do branco ao verde da fantasia. O costeiro, com diferentes tons de verde, também harmonizavam com a fantasia. Com 1,80 m de altura, Thuane mostou a que veio na Cidade do Samba.

“Ôôôôô, a Mangueira chegooou” cantava em coro a torcida da Estação Primeira de Mangueira para receber a sua candidata. Bruna dos Santos Gomes de Menezes, de 18 anos, entrou no palco da Cidade do Samba com uma fantasia no off-white, com penas de pontas cor-de-rosa e mangas com barbados de diferentes cores. O que chamou a atenção na roupa foi os ombros e o costeiros com luz de led que sincronizavam as cores verde e rosa do pavilhão. Bruna mostrou samba no pé e desenvoltura no palco sambando para o público e para os jurados até a bateria finalizasse sua apresentação.

A Corte do Carnaval de 2024

Ao final do concurso, os vencedores foram eleitos pelos jurados. Caio Cesar Dutra, representante da Estação Primeira Mangueira, é Rei Momo do Carnaval 2024. O segundo lugar ficou com o João Vitor Tavares, da Rosa de Ouro. Ele ocupará o posto de Vice-Rei Momo. Entre as meninas, Gabriela Mendes, da Mocidade Independente de Padre MIguel, foi eleita Rainha do Carnaval 2024. Bruna dos Santos, da Estação Primeira de Mangueira, se tornou 1ª Princesa e Ana Carolina, da Unidos de Bangu, 2ª Princesa., Todos representarão os símbolos da folia durante o próximo Carnaval.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]