Governo Estadual desenvolve plano de metas para diminuir desigualdades em favelas do Rio

A lei foi proposta pelo deputado estadual do Rio de Janeiro, Waldeck Carneiro.

Governo Estadual desenvolve plano de metas para diminuir desigualdades em favelas do Rio

Foto: Reprodução

O Governo do Rio de Janeiro anunciou um plano de criação de metas para reduzir a desigualdade no estado do Rio de Janeiro e combater a violência em favelas.

Cláudio Castro, governador em exercício, sancionou também um plano de desenvolvimento e metas para os municípios fluminenses. A lei foi proposta pelo deputado estadual do Rio de Janeiro, Waldeck Carneiro (PT).

“O Plano de Desenvolvimento, Cidadania e Direitos em território de favelas e demais áreas populares do estado do Rio vai criar um ambiente de direitos iguais e reduzir o abismo social”, ressaltou o documento do governo.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estipula-se que 32% da população residente no Rio de Janeiro vive abaixo da linha de pobreza. 

Em sua rede social, Waldeck ressalta que “a ideia é ter uma agenda de Estado com políticas duradouras para enfrentar, sem pirotecnia nem eleitoralismo, o desafio de incluir, de uma vez por todas, os territórios periféricos na cidadania republicana. Chega daquelas ações que “melhoram mas não resolvem”.

Deputado Waldeck Carneiro na ALERJ
Deputado Waldeck Carneiro na ALERJ
Foto: Rafael Wallace

Para o deputado, a desigualdade segue sendo o maior problema do Brasil e a pandemia descortinou e aprofundou ainda mais.

Este projeto visa estruturar setores básicos da população, como:  

  • educação;
  • saúde;
  • trabalho, emprego e renda;
  • arte e cultura;
  • esporte e lazer;
  • inclusão digital e inovação tecnológica;
  • saneamento básico;
  • moradia;
  • prevenção a catástrofes;
  • segurança pública;
  • mobilidade e acessibilidade;
  • assistência social e direitos humanos;
  • combate à violência contra as mulheres;

Este plano e suas respectivas metas serão constantemente avaliadas, a fim de que seja estabelecido o Índice de Desenvolvimento, Cidadania e Direitos nas favelas da cidade e demais áreas populares (que são as mais afetadas pela ausência desses serviços).