Jornal Fala Roça vai lançar guia cultural digital da Rocinha

O mapeamento de iniciativas culturais durou quase dois meses e pretende não só informar os moradores, como também colocar o cenário cultural da Rocinha no mapa do Rio
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Entre becos e vielas, o jornal comunitário Fala Roça foi atrás de iniciativas culturais dentro da Favela da Rocinha, na Zona Sul do Rio. O mapeamento, que durou quase dois meses, será lançado até o final de junho, em formato de um guia cultural digital.

O objetivo do novo mapeamento é levar informação para os moradores da Rocinha a respeito do cenário cultural existente no morro, mas também colocar as iniciativas no mapa da cidade do Rio para dentro e fora da internet. 

Michel Silva, editor do Fala Roça, comentou a respeito da ação. “As pessoas poderão encontrar uma pluralidade de iniciativas culturais que realizam diversos trabalhos e nem sempre são encontrados nas plataformas. O mapa também tem uma função de mostrar para a cidade que a favela tem uma cultura viva, diferente do que é retratada de forma violenta nas mídias hegemônicas”, pontua Michel.

Foto: Reprodução
Michel é cria da Rocinha e cofundador do Fala Roça e Favela em Pauta
Foto: Reprodução

Além de checar a localidade da iniciativa cultural, os agentes do Fala Roça também entrevistaram o responsável e/ou integrante da ação. A partir de um formulário com 11 perguntas, eles mapeiam se a iniciativa é popular, privada ou tem apoio de órgãos públicos e para qual público-alvo é destinada. 

Início do mapeamento

O primeiro mapeamento foi feito ainda em 2016, motivado pela “remoção virtual” das favelas cariocas dos mapas do Google. Essa remoção feita pela plataforma atendeu um pedido da Prefeitura do Rio, em decorrência da cidade sediar dois megaeventos: a Copa do Mundo (2014) e os Jogos Olímpicos (2016). Na época, o prefeito era o mesmo que o de hoje, Eduardo Paes. 

Após a repercussão, as favelas voltaram aos mapas e, agora, o mapeamento cultural da Rocinha conta com o apoio da prefeitura, por meio de edital do Programa de Fomento Carioca (Foca), a Secretaria Municipal de Cultura.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]