Moradora do Alemão que teve seus doces apreendidos pela Prefeitura faz vaquinha para ajudar no sustento da família

Priscila é moradora da Matinha no Complexo do Alemão e trabalhava como camelô na ocasião
EbdmxWyX0AA0gdP (1)

Na última quinta-feira (25), a auxiliar de serviços gerais Priscila Gomes, de 18 anos, estava trabalhando como camelô em frente ao Shopping Nova América, em Del Castilho, quando foi abordada por agentes da Prefeitura que apreenderam seus doces por estar trabalhando na rua e desrespeitando as medidas de fechamento e reabertura de atividades comerciais. A jovem também fazia doces para vender na comunidade, mas hoje está sem dinheiro para comprar novos materiais para produção dos doces que vende.

‪”Acabei ficando sem recursos para fazer doces, não tenho encontrado trabalho como diarista e pra piorar, meus doces que estava vendendo na rua foram confiscado pela prefeitura. Hoje sou a principal renda da minha família e não posso ficar sem trabalhar“, diz a jovem.

Porta Vozes da Resistência: três escritores lançam livro sobre vivências na favela

A vaquinha tem o intuito de ajudar nas despesas que Priscila tem nas suas duas semanas de trabalho. Ela mora com outras quatros pessoas em sua casa e sendo a única fonte de renda de sua família a importância da ajuda é ainda maior. 

Muitos moradores de favela tem enfrentado este dilema no seu cotidiano durante o período de pandemia, de estarem preservando sua saúde ou correr atrás do pão de cada dia. Ajude Priscila e faça sua colaboração através do link: https://t.co/0Tz3lIDLVL?amp=1

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]