Moradores de várias favelas podem passar o Natal sem água

Problema em elevatória da Cedae: um milhão de pessoas enfrenta falta d’água

Em meio a uma pandemia de Covid-19 e ao calor forte que atinge a cidade, moradores vão precisar driblar a falta de água em razão de um problema na Elevatória do Lameirão.

Com três de seus nove motores fora de operação, a elevatória trabalha com apenas 75% de sua capacidade. A Cedae tem feito manobras para tentar não deixar áreas do Rio desabastecidas, o que tem se mostrado ineficaz. Consumidores têm que conviver com rodízio no abastecimento, com períodos sem uma gota de água nas torneiras. A previsão para a normalização do serviço é em até 23 dias.

Diante desse movimento a Cedae anunciou a criação de um gabinete de crise para tratar das medidas adotadas para minimizar os impactos do problema na elevatória.

O presidente da Cedae, Edes Oliveira, afirmou que um dos cinco motores principais da estação foi enviado para manutenção em abril deste ano, mas o reparo atrasou devido à pandemia, deixando a elevatória sem reserva quando outras duas bombas queimaram. Segundo ele, o motor que está em reparo deve ser entregue em até 23 dias, prazo para a normalização do serviço.