Natal de Rua: Coletivo Papo Reto doa quentinhas para moradores em situação de rua

O coletivo reuniu um grupo de 30 voluntários para preparar e distribuir 300 quentinhas
Créditos: Bento Fabio
Créditos: Bento Fabio

O Natal de Rua existe desde 2014 e está na sua 6º edição com doação de quentinhas para pessoas em situação de rua. O Papo Reto, coletivo do Complexo do Alemão, reuniu 30 voluntários para preparar 300 quentinhas, que foram distribuídas na sexta-feira (18) respeitando todos os protocolos de segurança.

A ideia foi de proporcionar um momento troca com pessoas que estão em situação de rua e o Coletivo Papo Reto tem uma relação muito forte com a pauta de politicas de drogas e direitos humanos.

Esse ano, por conta da pandemia, as quentinhas não foram distribuídas em diversos lugares como era nos anos anteriores, antes o grupo se dividia em diversas localidades onde ficam moradores em situação rua e que fazem ou não o uso de algum entorpecente e o local da ação desse ano foi na Bandeira 2. A distribuição começou às 7 horas da noite. E os voluntários já estavam desde as 9 horas da manhã preparando as refeições com três cardápios diferentes: Frango, Carne e Calabresa.

Os voluntários estavam desde as 9 horas da manhã preparando as comidas, que teve 3 cardápios diferentes. Créditos. Bento Fábio / Coletivo Papo Reto

Geralmente, as ações do Papo Reto acontecem no dia de Natal e após, mas devido à intensidade do trabalho que o coletivo realizou no Gabinete de Crise, eles resolveram antecipar o Natal de Rua. O outro motivo para antecipar a ação foi o entendimento de que pessoas em situação de rua sentem fome todos os dias e que para os dias de Natal outras intuições já fariam essas doações.

Um dos motivos que fizeram antecipar a ação foi o entendimento que essas pessoas em situação de rua sentem fome todos os dias. Créditos. Bento Fábio / Coletivo Papo Reto

“Essa ação de Natal é a ação que mais temos voluntários, esse ano tivemos em torno de 30 voluntários, e a nossa proposta foi fazer 300 quentinhas. Teve ano que fizemos até mais, só que devido à pandemia estamos pensando na segurança de todos, então reduzimos o número até para que nossos voluntários fiquem menos tempo na rua e menos expostos. A entrega da quentinha é só uma desculpa mesmo, pois o que queremos é estar ali, fazendo essa troca ouvindo a necessidade dos outros, e isso é impactante para nossa vida, nos faz manter o pé no chão para entender de fato quais são nossos objetivos enquanto organização”, diz Lana de Souza, co-fundadora do Coletivo Papo Reto.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]