O Brasil precisa de maior atuação da juventude na política

A maturidade de uma nação está intrinsecamente ligada aos espaços de participação política que são propiciados à sua juventude para lutar por direitos

O Brasil precisa de maior atuação da juventude na política

Foto: Patrícia França / Divulgação
Por: Salvino Oliveira para PerifaConnection, na Folha de S.Paulo

No mês em que comemoramos o Dia Internacional da Juventude, em 12 de agosto, é preciso aquecer o debate a respeito das questões basilares relacionadas a esse grupo social.

Criada pela ONU em 1999, um dado tem como objetivo principal a conscientização das novas gerações de seu papel para o desenvolvimento e futuro do planeta.

No Brasil, as pautas mais urgentes que envolvem os mais jovens são as oportunidades educacionais, a empregabilidade, a precarização das relações de trabalho, o encarceramento, a saúde mental ea desigualdade social.

Para discutir sobre os espaços ocupados pela juventude de maneira qualificada, é preciso se atentar para as necessidades e direitos que perpassam os problemas acima. Quando isso acontece, identificamos essas questões como propulsoras e limitadoras das fontes individuais e coletivas dos nossos jovens.

Nesse contexto, fica cada vez mais claro que a preparação de políticas públicas voltadas para, de fato, cumprirem o papel transformador na vida da juventude brasileira está necessariamente fundamentada na participação das gerações mais novas no seu processo de ideação, implementação e avaliação.

Tal atuação não deve ser apenas acessória, mas sim ter um caráter de protagonismo, trazendo aqueles que se enfrentam como mazelas sociais para o centro dos debates. Em outras palavras, é colocar o conceito de lugar de fala na prática.

Em ambientes marcados por vulnerabilidades sociais e pela luta diária em prol da prioridade, como favelas e regiões periféricas, é urgente a necessidade de lançar luz sobre o fato de que o desenvolvimento do país é atravessado pela liberdade da disputa de narrativas no âmbito político.

Dessa forma, a maturidade de uma nação está intrinsecamente ligada aos espaços de participação de política que são propiciados à sua juventude para lutar por direitos.

A mudança política participação social e engajamento jovem, mas só será factível a partir da criação de ágoras, que democratizem o acesso da juventude nos espaços de debate público e ir trazê-los para a discussão sobre a sociedade que queremos.

De acordo com a pesquisa realizada pelo Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos (Geni), da Universidade Federal Fluminense (UFF), a média mensal de mortos em operação policial entre outubro de 2020 até o início deste ano superou a dos últimos 14 anos.

Foram 107 mortes por mês. O período do levantamento corresponde ao aumento da violação da determinação do STF de ações policiais em comunidades. A juventude periférica é um dos principais grupos vitimados.

Fica claro que nada é tão empoderador quanto ter sua voz ouvida e perceber os desdobramentos da sua atuação política impactando os rumos da história. Precisamos que esse brilho no olhar alcance a juventude, que eles exercem seu direito à cidadania e a participação política e resultado social no Estatuto da Juventude.

Salvino Oliveira
É morador da Cidade de Deus, integrante do PerifaConnection, gestor público e o atual Secretário de Juventude do Rio de Janeiro

PerifaConnection, uma plataforma de disputa de narrativa das periferias, é feito por Raull Santiago, Wesley Teixeira, Salvino Oliveira, Jefferson Barbosa e Thuane Nascimento. Texto originalmente escrito para Folha de S. Paulo.