Prefeitura do Rio sanciona programa que oferece reforço escolar para alunos da Rede Municipal

Com os impactos da pandemia, a iniciativa visa apoio educacional para crianças e adolescentes das escolas públicas

Foto: Prefeitura do Rio/Divulgação

A pandemia do coronavírus atingiu diversas áreas essenciais dentro do cotidiano da população brasileira e, principalmente, a parcela que vive nas favelas do país. Dentro dos cenários afetados, a educação foi um dos setores que mais sofreu com o Covid-19, com escolas e centros de ensino suspendendo o período letivo.

Visando reverter as consequências causadas pelo impacto do vírus nas escolas do Rio de Janeiro, a Prefeitura do Rio de Janeiro sancionou o programa “Reforço Rio”, que foca em oferecer apoio em matérias essenciais para os alunos do Ensino Fundamental, como Língua Portuguesa e Matemática.

Eduardo Paes e Renan Ferreirinha em cerimônia realizada no Palácio da Cidade, em Botafogo, no dia 29 de Junho, na oficialização da criação do Programa “Reforço Rio”
Foto: Beth Santos/Prefeitura

Eduardo Paes destacou a importância do programa. “Estamos em uma pandemia que já dura um ano e meio com crianças, que já vivem uma realidade absurdamente adversa, agravada por uma crise econômica, de desemprego e de fome. Esse é o maior desafio do nosso governo, junto com a Saúde, pela relevância que tem. Estamos impactando nas futuras gerações, na vida dessas crianças que, amanhã, têm que representar o presente da nossa cidade”, declarou o prefeito do Rio.

Para o secretário Renan Ferreirinha, a pandemia gerou três danos principais para os alunos: o déficit de aprendizagem, o abandono escolar e o impacto socioemocional por causa da ausência do colégio.

“A pandemia atingiu a Educação do Rio e do Brasil em cheio. Desde o início do ano, trabalhamos para reverter o impacto que o período sem aulas causou nos nossos alunos. Muitas crianças esqueceram como se escreve o próprio nome. Nosso objetivo é implementar o Programa de Reforço Escolar já no terceiro bimestre, em agosto. Aliás, esta lei chega em boa hora, porque tornará o programa permanente”, explicou Ferreirinha.

Os alunos terão suporte com atividades individuais e em grupo com previsão de início para o 2º semestre deste ano. O projeto de Lei 1975/2020 permite que o programa tenha convênios e parcerias com os governos do Estado e da União, sociedade civil, empresas privadas, cooperativas, associações de moradores, moradores de comunidades comprovadamente capacitados e demais entidades voltadas à área da educação.