Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Programa promove acesso à cultura para famílias de baixa renda

O Passaporte Cultural já beneficiou mais de 80 mil pessoas de todo o estado do Rio
(Foto: Vilma Ribeiro / Voz das Comunidades)

Você já imaginou ir ao Planetário, conhecer tudo sobre o universo ou ainda visitar o fundo do mar no AquaRio? Com o Passaporte Cultural RJ, você pode ter acesso a esses e outros espaços culturais, totalmente de graça!

Lançado em junho de 2021, o programa da Sececrj (Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa) tem facilitado acesso à cultura e ao lazer para populações de baixa renda em todo o estado. Desde seu início, o Passaporte Cultural já beneficiou mais de 80 mil pessoas de todo o estado do Rio.

O Passaporte cultural atende os 92 municípios do Rio e fornece ingressos e, quando necessário, transporte para instituições cadastradas levarem grupos para shows, museus, teatro, para o circo e muito mais. Parque Xangai, Museu de astronomia, Parque Laje e o AquaRio são alguns dos destinos mais procurados.

Atualmente, os espaços de visitação estão localizados apenas nas regiões centrais do RJ. Mas a intenção da secretaria é ampliar a parceria e incentivar o acesso à cultura que existe também fora da região metropolitana do estado.

Favela também quer cultura e lazer (Foto: Vilma Ribeiro / Voz das Comunidades)

Mas como eu acesso o Passaporte Cultural?

No momento, o programa ainda não aceita cadastro de pessoas físicas diretamente. Para poder curtir, a pessoa precisa estar vinculada a alguma instituição que atue junto a população de baixa renda. 

Associações de moradores, entidades beneficentes de assistência social, escolas e organizações culturais comunitárias podem se cadastrar e solicitar junto à Sececrj o acesso ao programa. Para se cadastrar, basta entrar em contato pelo e-mail [email protected] O acesso é feito totalmente online.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]