Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Voz das Comunidades aborda favela como protagonista de narrativas em painel na Expo Favela

'Credibilidade de cria', histórias de moradores da favela e suas narrativas foram temas centrais da conversa
Mesa_Expo_Favela
(Foto: Vilma Ribeiro / Voz das Comunidades)

A Expo Favela trouxe os empreendedores das comunidades para a Cidade das Artes e juntou as narrativas periféricas nos três dias de evento. A mesa “Mídia e Comunicação nas Favelas – Novas Narrativas” debateu a importância do jornalismo dar protagonismo a estes territórios.

Para a conversa, se reuniram o jornalista e apresentador do Bom dia Rio, Flávio Fachel e o “repórter das cadeirinhas”, Chico Regueira – ambos da TV Globo. Eles dividiram o palco com grandes nomes da comunicação comunitária, como a criadora do PPG Informativo, Ana Muza, a “filha da Muza” cria do Pavão-pavãozinho-Cantagalo. Do CDD Acontece, Carla Cinco. Também da Cidade de Deus, o ator e comunidador Ricardo Fernandes integrou a mesa junto com a a coordenadora de comunicação do Voz das Comunidades Melissa Canabrava.

Melissa destacou a importância de levar a informação para as áreas menos favorecidas e que isso só é possível graças ao jornal impresso, devido à dificuldade de conexão com a internet. “Tem pessoas que não tem acesso à informação. Lugares acontecendo coisas super interessantes, mas não tem como fazer um link ao vivo, como é costume do Voz, porque a internet não funciona”.

Ricardo, que também é parceiro do Bom Dia Rio com reportagens sobre as comunidades, ressaltou a importância da favela ocupar outros territórios. Ele retratou o evento como uma possibilidade. de trazer a periferia para a Barra da Tijuca. “A favela pode estar em muitos lugares para além dela”.

‘Credibilidade de Cria’

Carla Cinco destacou que o CDD Acontece é o único canal de comunicação comunitária reconhecido pelo Whatsapp Brasil com 13 mil pessoas na linha de transmissão. Mas ela relembra que isso não foi fácil de conquistar e ressaltou a importância de falar da segurança para jornalistas comunitários.

Ana Muza conta que a credibilidade dela no jornalismo comunitário foi construída com o tempo e pelo que ela define como a “credibilidade de cria”. Ela destacou também o protagonismo de mulheres negras de estarem no debate sobre comunicação e que os verdadeiros repórteres são os moradores das favelas. “Eu sou só uma pessoa que usa da tecnologia para beneficiá-los, mas os repórteres são eles.

Fachel finalizou o debate olhando para o rosto de todos que estavam no auditório e agradeceu pelo acolhimento. Concluiu dizendo “a gente faz o jornal para vocês!”.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]