Vai um sanduba aí?

lanchesbrothers

Lanches Brothers: Quando o bom atendimento é a alma do negócio

Na Avenida Itaoca, próximo ao número 1796 funciona uma das lanchonetes mais badaladas do bairro de Ramos, a Lanches Brothers. Fundada por Cosme Damião da Silva Chagas e sua esposa Vaneide, a lanchonete funciona de terça a domingo a partir das 18h e não só moradores da Nova Brasília, comunidade próxima, como outros clientes frequentam o estabelecimento com fidelidade.

“Aqui a gente atende jogador de futebol, médico e pessoas de todos os lugares. Me sinto privilegiado. Não vendo só o alimento, vendo o marca também”, comenta o comerciante morador de Tomaz Coelho. Para Cosme, não é problema nenhum sair do bairro onde mora todos os dias para ir ao Alemão. “Trabalhar no CPX é muito bacana, a gente aprende muito com os clientes.”

Cosme Damião da Silva Chagas - Foto: Renato Moura
Cosme Damião da Silva Chagas – Foto: Renato Moura

O empreendedor começou sua vida profissional trabalhando como auxiliar de serviços gerais em um hotel 5 estrelas de Copacabana. Depois de algum tempo fazendo toda a limpeza, lavando louças e outras funções do cargo, decidiu abrir um próprio negócio e hoje se orgulha da equipe de funcionários que comanda. “Meus funcionários são dedicados, muito esforçados. Trabalhar com comida é um dom.”

A rotina do comerciante é bem agitada. Chegando em casa às 4h da manhã, às 7h Cosme já está de pé para fazer as comprar no CEASA. Pão, queijo, bacon, presunto são alguns dos ingredientes que fazem parte dos sanduíches vendidos na lanchonete. Após as compras, o comerciante deixa as mercadorias no Alemão e volta para Tomaz Coelho para descansar antes de reabrir a loja.

Raiane trabalha na lanchonete há um pouco mais de 1 ano. “Gosto de trabalhar aqui, é divertido. Brigamos, mas é como uma família, a gente sempre se entende. Quando um cliente pede para caprichar, eu capricho. Aqui é uma ótima oportunidade para aprender. Melhor do que ficar em casa sem fazer nada. Aqui aprendi a me desprender das coisas, principalmente do celular”, revela a jovem de 18 anos.

Quando decidi ir para a rua procurar emprego eu só tinha dois ovos em casa e era uma segunda-feira. Não sabia o que ia fazer. Estava chorando muito, desesperada. Nesse momento a dona Vaneide me ligou. Vim correndo e deixei os 2 ovos para a minha filha comer em casa. No dia seguinte eu já tinha o dinheiro para comprar mais comida”, declara Adriely Soares, de 25 anos. A funcionária é formada em Segurança, mas preferiu trabalhar na Lanches Brothers e diz que não só o salário, mas o horário e o fato de trabalhar perto de casa contam bastante para a sua escolha.

Cosme conclui dizendo que o atendimento é a alma do negócio. “Botamos a mão na obra, determinando e indo em frente. Existe a satisfação do cliente e a produtividade e a margem de lucro. Se não ver bem atendimento não tem lucro. Hoje tenho cliente que posso dar um abraço e dizer que é meu amigo”.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]