As vacinas contra o coronavírus NÃO possuem imãs ou propriedades magnéticas

A desinformação tem sido uma das complicações mais sérias no momento de combate e imunização contra o Covid-19. Em mais um caso de compartilhamento de materiais com enfoque enganoso em

A desinformação tem sido uma das complicações mais sérias no momento de combate e imunização contra o Covid-19. Em mais um caso de compartilhamento de materiais com enfoque enganoso em redes sociais e aplicativos de mensagens instantâneas, tem circulado o boato sobre as vacinas possuírem imãs ou propriedades magnéticas no local aplicado. Nele, há vídeos e imagens de supostas pessoas vacinadas tendo metais (moedas) atraídas pelo efeito da aplicação do imunizante. 

O boato é FALSO e as principais fabricantes das vacinas no Brasil emitiram um posicionamento a respeito do tema. Em nota, a Pfizer relata:

“Com relação às informações que têm circulado em redes sociais e aplicativos de mensagens sobre a vacina ComiRNAty, contra a Covid-19, produzida pela Pfizer e BioNTech, esclarecemos: é falsa a informação de que a vacina da Pfizer contra a Covid-19 causa algum tipo de magnetismo no local da aplicação“, diz a Pfizer.

Também em forma de pronunciamento, o Instituto Butantan comentou: 

“A vacina não causa magnetismo. Os possíveis efeitos colaterais estão discriminados em bula. O hidróxido de alumínio é um adjuvante usado na composição da vacina para auxiliar a proteção (produção de anticorpos) e não altera a proporção de alumínio no organismo de uma pessoa. Ressaltamos que materiais paramagnéticos como o alumínio fazem parte da composição do corpo humano e só podem ser influenciados magneticamente sob a influência de forças magnéticas muito potentes, como as usadas nos aparelhos de Ressonância Magnética Nuclear. Em situações cotidianas, as pessoas não se expõem a essas grandes forças magnéticas”, diz o Instituto Butantan.

A Fiocruz também se posicionou a respeito da desinformação: 

“A vacina produzida pela Fiocruz não possui ingredientes em sua composição capazes de provocar efeito magnético no organismo. A lista de substâncias acrescidas à formulação das vacinas é pública e consta de suas respectivas bulas. No caso da vacina Covid-19 Fiocruz/AstraZeneca, mesmo a adição do cloreto de magnésio à formulação da vacina também não é capaz de gerar qualquer magnetismo. Embora o magnésio seja um metal, é um elemento não magnético, ou seja, sem propriedades magnéticas. Trata-se de uma vacina segura e amplamente testada, não havendo qualquer evidência científica que relacione a vacina a efeitos dessa natureza”, diz a Fiocruz.

A desinformação sobre o Covid-19 é extremamente perigosa. A pandemia do vírus já vitimou em torno de 482 mil pessoas e é necessário combater o compartilhamento de mensagens falsas.