FBI NÃO recolheu máscaras importadas da China infectadas pela Covid-19

Há alguns dias, circula nas redes sociais um vídeo que mostra o FBI, a polícia federal dos Estados Unidos, apreendendo um carregamento de máscaras e outros equipamentos médicos. A legenda

FBI NÃO recolheu máscaras importadas da China infectadas pela Covid-19

Há alguns dias, circula nas redes sociais um vídeo que mostra o FBI, a polícia federal dos Estados Unidos, apreendendo um carregamento de máscaras e outros equipamentos médicos. A legenda diz que os produtos são importados da China e que estariam contaminados como o novo coronavírus. Essa informação é falsa.

O vídeo é real mas, na verdade, mostra a apreensão feita pelo FBI devido a irregularidades na venda dos produtos. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos confirmou que se trata de ‘fake news’ e garante que as máscaras não estavam contaminadas. Elas foram, inclusive, distribuídas a profissionais de saúde.

O fato ocorreu no dia 29 de março, em New Jersey. Agentes apreenderam uma carga de máscaras cirúrgicas e outros suprimentos médicos que, por ordem federal, não podiam ser estocados e vendidos com preços acima do mercado. A ação não teve nada a ver com contaminação.

Os agentes seguiam uma determinação do Departamento de Saúde do governo Donald Trump, datada de 25 de março, que criminalizou a estocagem excessiva de produtos médicos destinados ao controle do novo coronavírus para manipulação de preços.

O Ministério da Saúde afirma não haver qualquer evidência de que produtos enviados da China para o Brasil tragam o novo coronavírus.

Especialistas da Sociedade Brasileira de Infectologia, da UFRJ, da Escola Nacional de Saúde Pública (Fiorcruz) e da Sociedade Brasileira de Pediatria também são categóricos: não há condições biológicas para que o vírus resista nas máscaras durante o processo de fabricação, embalagem e todo o traslado China-Brasil. O mesmo vale para o trajeto para os EUA.