É FALSO que vacina aumentou o número de crianças internadas nos EUA por Covid

Nos últimos anos, o crescimento de conteúdos enganosos a respeito da imunização contra o coronavírus têm sido uma situação rotineira na vida de muitos moradores que residem em comunidades cariocas.

Foto: Reprodução

Nos últimos anos, o crescimento de conteúdos enganosos a respeito da imunização contra o coronavírus têm sido uma situação rotineira na vida de muitos moradores que residem em comunidades cariocas.

Com diversos materiais sendo compartilhados nas redes sociais e grupos de mensagens instantâneas, fica difícil o entendimento do que é real e do que não é. E, no início deste mês, o cenário de desinformação sobre a temática continua o mesmo. 

Com a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a aplicação de vacinas em crianças de 5 a 11 anos no Brasil, rapidamente as redes sociais e outros meios de comunicação na Internet foram preenchidos pela temática. Em um destes materiais, afirmava que a internação de crianças aumentou nos Estados Unidos da América em razão do início da vacinação contra o Covid-19. O conteúdo é FALSO e visa desacreditar a campanha de imunização

Neste material compartilhado, não aparece nem uma estatística a respeito das crianças internadas, mas sim, o aumento de casos nos EUA neste início de ano, panorama que, infelizmente, tem sido comum em todos os países no mundo pelo alto contágio das variantes e pelas comemorações de final de ano. 

A transmissão de conteúdos falsos a respeito de qualquer assunto é extremamente grave. Tem muitas consequências e pode afetar a vida de alguém de diversas formas. Verifique as informações antes de compartilhar em grupos de família, amigos ou quaisquer outros.

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]