Filho da atriz Christiane Torloni realmente morreu em um acidente doméstico em 1991

Circula nas redes sociais uma mensagem relatando que a atriz Christiane Torloni teria perdido um de seus filhos em um acidente doméstico em 1991, quando a criança tinha apenas 12

Filho da atriz Christiane Torloni realmente morreu em um acidente doméstico em 1991

Circula nas redes sociais uma mensagem relatando que a atriz Christiane Torloni teria perdido um de seus filhos em um acidente doméstico em 1991, quando a criança tinha apenas 12 anos. A informação é verdadeira. A intérprete de Tereza Cristina na novela Fina Estampa, que está sendo reprisada na TV Globo atualmente, já comentou o assunto em programas de televisão. De fato, seu filho Guilherme Torloni, irmão gêmeo de Leonardo Carvalho, morreu em um acidente de carro na garagem de casa. A última vez que a atriz falou sobre o assunto foi no programa Conversa com Bial, em maio de 2019.

Guilherme morreu em um acidente de carro na casa da Christiane, em São Conrado, no Rio de Janeiro, em 1991. Ela e os gêmeos estavam numa caminhonete quando, após uma manobra malfeita, o automóvel despencou da garagem da residência, de ré, de uma altura de 4,5 metros. Na época, Christiane e Leonardo sofreram escoriações leves, mas Guilherme não sobreviveu ao ocorrido.

A atriz revelou que chegou a pensar em ter mais filhos e que até hoje recebe cartas de apoio dos fãs: “Como a essência do ator é donativa, quando você perde seu coração, sua alma, não sabe nem se vai continuar vivo. É uma coisa a que pouca gente sobrevive. Tem gente que está aparentemente viva, mas já morreu há trinta e tantos anos. A arte veio salvar a minha vida. O coração é o que mantém a mente inteira. O maior órgão, o mais delicado é o coração. Na hora que ele se espatifa, a mente se descontrola. Manter seu coração inteiro para a sua mente ficar em ordem é sobre humano“.

Após a morte da criança, Christiane foi morar com Leonardo, irmão gêmeo de Guilherme, em Portugal: “Eu fui criada de uma maneira para não temer grandes emoções e o luto faz parte da nossa vida. A gente não tem que ter vergonha. A dor, de alguma maneira, humilha as pessoas. Você se sente humilhado porque está exposto. Mas não temer o processo natural dos sentimentos é importante. Eu precisei me recolher“, contou ela em sua participação no programa Conversa com Bial.