NÃO existe protocolo para baixar oxigênio de intubados e aumentar mortes por Covid-19

Circula por grupos de WhatsApp que uma enfermeira denunciou uma suposta ordem para intubar pacientes com Covid-19. De acordo com o conteúdo, a orientação inclui baixar o oxigênio para aumentar

NÃO existe protocolo para baixar oxigênio de intubados e aumentar mortes por Covid-19

Circula por grupos de WhatsApp que uma enfermeira denunciou uma suposta ordem para intubar pacientes com Covid-19. De acordo com o conteúdo, a orientação inclui baixar o oxigênio para aumentar o número de mortes pela doença e, dessa forma, “justificar o lockdown”. Segundo essa teoria, o objetivo é “quebrar a economia” e “desestabilizar o Governo Federal”. A informação é falsa, na época, a acompanhante — e não enfermeira — declarou a jornalistas que o nível de oxigênio das pessoas hospitalizadas com Covid-19 tinha sido reduzido. Entretanto, esse protocolo foi adotado porque, naquela ocasião, o estado do Amazonas tinha registrado recordes de internações pela doença e enfrentava uma crise de abastecimento de oxigênio. O racionamento, portanto, teve o objetivo de economizar o insumo.

A Secretaria de Saúde do Amazonas informou, por e-mail, que atualmente, o fornecimento de oxigênio no estado está estabilizado. “A unidade ressalta que apesar da dificuldade enfrentada pela rede pública e privada com relação ao abastecimento do gás medicinal no pico da pandemia, o hospital nunca ficou desabastecido.” A nota também explica que “a rede hospitalar segue as orientações da Associação Brasileira de Medicina de Emergência (Abramede) sobre o uso racional do gás oxigênio em pacientes graves com suspeita de infecção por SARS-CoV-2.”