Surto de H1N1 no Brasil, em 2009, NÃO matou mais que o do novo coronavírus

Várias mensagens têm circulado nas redes sociais com a afirmação de que o surto de H1N1 no Brasil, em 2009, matou muito mais gente que o novo coronavírus neste mesmo

Surto de H1N1 no Brasil, em 2009, NÃO matou mais que o do novo coronavírus

Várias mensagens têm circulado nas redes sociais com a afirmação de que o surto de H1N1 no Brasil, em 2009, matou muito mais gente que o novo coronavírus neste mesmo período. Uma publicação mostra, inclusive, uma estatística que contrapõe duas mortes agora a mais de 2 mil na época. Esta informação é falsa.

Uma das mensagens diz que “Os dados não mentem. Entenda como a mídia esquerdista manipula a sua vida”. O texto continua comparando os números das duas doenças. A comparação aponta que o surto de gripe suína, como a enfermidade ficou conhecida, deixou 58.178 infectados, com 2.101 mortos. Quando se refere à situação atual, o quadro usa o número de registros contabilizados até o dia 18 de março no Brasil – 394 infectados e duas mortes (na verdade, os óbitos neste dia já chegavam a 4).

O fato é que os períodos de tempo não são comparáveis. O primeiro dado é bem próximo ao número total de casos de H1N1 registrados no país em 2009 e 2010 juntos: 59.867. O número de mortes (2.173), também. Ou seja, quase dois anos de doença (já que o primeiro caso de H1N1 foi registrado em maio).

Além disso, é muito complicado comparar as taxas de letalidade, porque a do coronavírus ainda está mudando (ainda assim, ela varia entre 2% e 3%, e está relacionada a fatores de risco). Já a do H1N1 é, em média, de 0,02%.