Campanha “De Olho no Coronavírus” recebe doações de resíduos na Rocinha

52075963_1133709633473645_8912540009488187392_n

Na Rocinha, Zona Sul do Rio de Janeiro, projeto De Olho no Lixo lança campanha “De Olho no Coronavírus” e busca doações de resíduos, óleos de cozinha e tecidos para reaproveitá-los em forma de cloro e máscaras, auxiliando moradores na prevenção na luta contra o coronavírus.

O projeto consiste na retirada de resíduo de lixo que fica dentro das favelas, onde a Comlurb não realiza coleta, e reverte este lixo na geração de trabalho e renda para os moradores da comunidade. A  iniciativa “De Olho no coronavírus”, surgiu devido à pandemia, que coleta óleo a partir de doações e transforma em cloro e sabão. Todo o material é produzido dentro da Rocinha por uma equipe de 30 pessoas”, disse a coordenadora geral do projeto Márcia Rolemberg , de 53 anos.

A produção de máscaras é derivada também de outro projeto, o “Ecomoda”, que consiste em reaproveitamento de roupas e tecidos na confecção de novas peças.

Além da Rocinha, o projeto atende o Vidigal e a comunidade Roquete Pinto, no Complexo da Maré, em Ramos e há 4 anos vem fazendo esse tipo de trabalho de reaproveitamento e reciclagem, incentivando moradores com hábitos de higiene e preservação do meio ambiente. O projeto foi elaborado pelo Viva Rio Socioambiental, com orientação técnica do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e a Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (Seas) com apoio da Associação dos Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj).

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]