Calçada do UPA do Complexo do Alemão, agora tem placas de sinalização que proíbem estacionamento

WhatsApp Image 2018-04-20 at 11.14.45 AM

A CET-Rio colocou duas placas de sinalização que proíbem o estacionamento na calçada do UPA, no Complexo do Alemão. Guardas municipais estão fazendo um trabalho diário de reboque dos veículos estacionados irregularmente.

Localizada na Estrada do Itararé, a calçada tem grande fluxo de pedestres que não podiam transitar com segurança durante o período em que os carros estavam estacionados. Não muito raro, era comum ver idosos, crianças e pessoas com bebês que passavam pela via, por falta de espaço na calçada.

Atendendo aos apelos dos moradores, a equipe do Voz das Comunidades foi até a área registrar as irregularidades. Em frente ao UPA, mais de dez carros estacionados em local proibido, foram flagrados. Depois da repercussão da matéria, a polícia retirou e multou os veículos, mas a falta de placa de sinalização ainda era um problema para motoristas desavisados que insistiam em estacionar na calçada.

A equipe do Voz das Comunidades solicitou placas de sinalização para a localidade, que foi atendida pela CET-Rio. O órgão alega que a falta de placa de sinalização, não impede que o motorista seja multado.

“Pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), estacionamento sobre passeio é proibido e não precisa de sinalização para isso. Qualquer veículo que estacione em cima de calçada pode ser multado. ”- diz a assessoria da CET- RIO

A guarda municipal também afirma a importância da denúncia quando o pedestre verificar irregularidades.

“Ressaltamos a importância de o cidadão registrar esse tipo de denúncias pelo 1746 (Central de Atendimento ao Cidadão da Prefeitura do Rio). Os pedidos são encaminhados aos órgãos responsáveis e favorecem o planejamento de ações conjuntas”.- afirma a assessoria da guarda municipal.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]