Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Mirian Makeba está de casa nova

Foto: Renato Moura/Voz Das Comunidades

Para ampliar atendimento, CAPS ad Miriam Makeba, aberto 24 horas, mudou de Bonsucesso para Ramos

O Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Mirian Makeba, especializado em atender pacientes com transtornos psiquiátricos associados ao álcool e outras drogas, que funciona 24 horas, acaba de se mudar da Rua João Torquato, em Bonsucesso, para a Professor Lacé, a rua da Escola de Samba Imperatriz.

Mas pera aí, vem cá! Você sabe mesmo o que é e para que existe um CAPS?

Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) são instituições destinadas a acolher pacientes com transtornos mentais, estimular sua integração social e familiar, e apoiá-los em suas iniciativas de busca da autonomia, oferecendo atendimento médico e psicossocial.

Segundo o diretor do CAPS Mirian Makeba, Rodrigo Pereira, os Centros de Atenção Psicossocial oferecem um serviço originário de lei que existe no Brasil desde 2001, da reforma psiquiátrica. “É um serviço que substitui as internações psiquiátricas de longa duração, com a possibilidade do paciente receber um tratamento voltado para a sua inserção na comunidade, no território em que vive.”

Rodrigo afirma que o tratamento da doença mental foi tradicionalmente voltado para excluir a pessoa do convívio com a comunidade. Felizmente, as coisas mudaram: “Hoje, a política de saúde mental no Brasil trabalha para que o tratamento seja feito na comunidade, acreditando que isso tenha efeito positivo para os usuários e pacientes” –  afirma o diretor.

No caso específico do CAPSad, voltado para o atendimento de pessoas com transtornos mentais associados ao álcool e outras drogas (daí as letras “a” e “d” no final da sigla), o tratamento é todo baseado na lógica da redução de danos. Rodrigo explica que é um modelo de cuidado eficaz, presente em vários países. fxcm Segundo ele, “o modelo não parte do princípio de que o paciente, para se tratar, tenha que parar totalmente de usar drogas, mas sim que é necessário trabalhar os efeitos desse uso. Entendemos também que ele não precisa se afastar totalmente do seu território, da família, para ter direito ao atendimento, ao cuidado”.

Os motivos da mudança de endereço são enumerados por Rodrigo: “O primeiro motivo é o fato de que, em Bonsucesso, estávamos em um prédio estruturalmente ruim, com três andares e elevador. O segundo é que, apesar de estar perto das cenas de uso, conhecidas também como “cracolândias”, perto dos pacientes, a dificuldade de chegar no Complexo do Alemão não permitia uma abrangência do atendimento. E o terceiro, é que o antigo prédio tinha um aluguel mais caro, e esse dinheiro é da população.”

Como é um serviço gratuito e 24 horas, e os problemas do alcoolismo e das outras drogas estão aí, é importante saber que qualquer cidadão pode procurar atendimento no CAPS. “Muitos são indicados pelas Clínicas da Família ou pela UPA da mesma área, mas o paciente pode buscar atendimento no próprio CAPS também. Estamos de portas abertas para a população” – garantiu o diretor.

O CAPS conta com equipe multidisciplinar formada por enfermeiros, médicos, psicólogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, técnicos de enfermagem, agentes administrativos e oficineiros. São oferecidas oficinas de conto, autocuidado, cinema e música.

A estrutura ainda conta com equipamentos como totó, mesa de pingue-pongue e materiais para confecção de artesanato.

Todas as oficinas e uso dos espaços são destinados aos pacientes matriculados no CAPSad Miriam Makeba. O novo endereço é Rua Professor Lace, número 485.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]