Durante operação, explosivo é deixado em beco no Alemão e moradores pedem ajuda

O beco é passagem de muitas pessoas, que dizem estar com medo de uma explosão
WhatsApp Image 2019-09-18 at 14.56.53

“Na hora do tiroteio jogaram várias bombas sendo que uma delas falhou,aí acalmou um pouco, aí ficou circulando alguns policiais, aí passou a Bope e disse que tava sem pino e que ela podia explodir a qualquer momento e só cercaram com sacos de areia e avisou pra gente não encostar pra não explodir…

E estamos com medo”

Moradores próximos ao Beco da Praça do Cruzeiro, na área conhecida como Inferno Verde, estão alertando sobre uma bomba sem pino abandonada na região. O beco é passagem de muitas pessoas, que dizem estar com medo de uma explosão. Ainda de acordo com quem vive no local, policiais do BOPE passaram pela área e colocaram sacos de areia em volta do explosivo, mas disseram que não vão realizar a retirara pois o objeto não seria deles.

Além do perigo da bomba, a região segue sem energia após disparos atingirem o transformador, causando um incêndio na fiação. Na rede social Twitter, a Light informou que devido ao conflito, as esquipes estão com dificuldades para restabelecer a energia.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]