Funcionários do teleférico estão sem receber e farão protesto nesta tarde

teleferico

Sem previsão para retornar ao trabalho e sem receber pagamento, funcionários do teleférico do Alemão farão um protesto na tarde desta terça-feira (18), na estação da Baiana.

Após ter o funcionamento interrompido desde 14 de setembro para reparos nos cabos que sofriam desgastes, o teleférico foi fechado por falta de pagamento do Estado. De acordo com a concessionária que administra o serviço, cerca de 150 funcionários devem ser demitidos.

Em nota, o Consórcio Rio Teleféricos declarou que assumiu a operação do teleférico do Complexo do Alemão em 08/03/2016. Desde então, recebeu apenas um dos sete pagamentos mensais que lhe são devidos pelo Estado do Rio de Janeiro, o que, inviabiliza financeiramente a continuidade da execução do contrato.

Contrário a persistente inadimplência do Estado, o Consórcio Rio Teleféricos até o momento cumpriu com todas os compromissos financeiros assumidos com seus funcionários e prestadores de serviços.

Por não haver previsão para a regularização dos pagamentos pendentes, não restou ao consórcio outra alternativa que não a de suspender o cumprimento de suas obrigações contratuais.

De acordo com notificação enviada à Secretaria de Transportes em 14/10/2016, a suspensão contratual começará nesta sexta-feira (21/10/2016), a partir de quando o Estado deverá assumir diretamente a responsabilidade integral pelo sistema do teleférico, inclusive os serviços de segurança, vigilância e limpeza, conservação das estações.

Enquanto durar a suspensão do contrato, o consórcio não poderá tomar qualquer medida visando a substituição dos cabos do teleférico, cuja necessidade motivou a paralisação das operações do sistema.

A equipe de jornalismo do Voz da Comunidade vai continuar acompanhado o caso e atualizando os moradores do Alemão.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]