Jornalista Tim Lopes é homenageado na escola que leva seu nome

Tim5

Hoje completa 13 anos da morte de Tim Lopes e para lembrar o caso, uma sessão do filme que conta a história do jornalista foi exibida para os alunos que estudam na escola que leva seu nome.

O jornalista investigativo foi assassinado na Vila Cruzeiro, em um dos pontos do Conjunto de Favelas do Complexo do Alemão, no dia 02 de junho de 2002 enquanto fazia uma reportagem sobre tráfico de drogas e prostituição infantil. O caso repercutiu na mídia nacional e internacional. Elias Pereira da Silva, conhecido como Elias maluco, foi um dos acusados de ser o mandante do sequestro, tortura e execução do jornalista.

No filme “Histórias de Arcanjo” conhecemos o Tim como pessoa e não apenas como profissional, um repórter ousado e determinado, sem deixar de transmitir a alegria e o prazer de ser jornalista.

Tania Lopes, Irmão de Tim Lopes. - Foto: Betinho Casas Novas
Tania Lopes, Irmão de Tim Lopes. – Foto: Betinho Casas Novas

“Homenagear o Tim no dia 02 de junho em uma escola que leva o nome dele é muito emocionante. Esse ano especialmente, por termos a oportunidade de exibir o documentário. É como um preenchimento pedagógico. A ideia é mostrar quem é o ser humano e jornalista Tim Lopes. É importante que eles conheçam a história da pessoa que dá nome a escola que eles estudam. Coisas além do que é visto na mídia.”  Comenta Tania Lopes, Irmão de Tim Lopes.

A escola possui vários projetos, incluindo o ‘Escola Aberta”, voltada para o ensino fundamental e o “Escola em movimento” voltada para o ensino médio. Durante a homenagem, Edna Ferreira, diretora do Colégio, contou como é fazer parte da Escola e elogiou os alunos.  “Quando fui encaminhada para cá foi difícil, não tinha nenhuma ideia e nem vontade de querer vir dirigir uma escola no Complexo, mas agora não penso em sair daqui. Os alunos são educados, respeitam os professores. É uma realidade diferente.”

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]