Formado por 4 jovens, projeto sociocultural no Alemão promove ações para crianças e familiares

O Alemão em Arte foi criado pela estudante Maria Oliveira, de 26 anos, e faz a diferença na comunidade
Foto: Vilma Ribeiro / Voz das Comunidades
Foto: Vilma Ribeiro / Voz das Comunidades

O isolamento social causado pela pandemia da Covid-19 deixou o mundo todo “fora do ar”, principalmente as crianças que não puderam mais brincar na rua ou ver os amigos. Na favela, onde alguns espaços se resumem a ruas estreitas e praças, a realidade foi ainda mais dura.

Observando o cenário e o impacto causado nas crianças, um grupo de jovens resolveu colocar a mão na massa. Idealizado pela estudante Maria Oliveira, de 26 anos, o Alemão em Arte se desenvolveu para além de um projeto cultural destinado para crianças e passou a atender também famílias inteiras dentro da favela.

Atualmente, além de Maria, o grupo da iniciativa é composto pela professora de teatro Vanessa Rocha, de 26 anos, o dançarino Marcos Carolinno, 32, e o ator Diogo Nunes, de 29 anos.

Em primeiro, Maria Oliveira, depois Diogo Nunes, Vanessa Rocha e, por fim, Marcos Carolinno
Foto: Arquivo / Alemão em Arte

A primeira ação foi em 2020. Maria usou a internet para arrecadar alimentos e brinquedos para fazer a primeira ação social no dia das crianças. O espírito comunitário deu certo e o Alemão em Arte se manteve ativo com o objetivo de viabilizar cultura às crianças do Alemão, oferecendo atividades, como: aulas de dança, teatro, pintura facial, atividades circenses e distribuição de lanches

Foto: Reprodução

O principal local de atuação é a Praça do Areal, no Complexo do Alemão. Ali, o grupo promove atividades culturais para o público infantil e também para famílias. Mas o projeto está cheio de planos para a comunidade. Além da horta comunitária, a iniciativa planeja ocupar as praças. Vanessa, integrante do Alemão em Arte, relacionou algumas ideias do grupo.

A gente não quer só fazer uma atividade na praça e sair. A gente quer deixar alguma coisa lá. Por exemplo, amarelinha no chão, cestas de lixo para as praças, pintura… Algo que as crianças gostem de fazer”. E Maria complementa. “Pensamos também em fazer uma biblioteca pública, com livros e gibis. Algo próximo de ‘pegue o que quiser, deixe o que puder’. Um mural do sonhos também, para as crianças desenharem ou escreverem sobre o que elas querem”.

O projeto social também realiza distribuição de cestas básicas na comunidade, sempre contando com a ajuda de voluntários e parceiros.
Foto: Arquivo / Alemão em Arte

Dá pra participar do Alemão em Arte tanto como voluntário quanto por meio de doações. O grupo não dispensa nenhuma ajuda para ações comunitárias. Basta contatar o grupo pelo Instagram no @alemaoemarte ou pelo e-mail [email protected]

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]