Na Penha, Dia da Favela é marcado por apresentações artísticas e ações sociais

A ONG Voz das Comunidades, em parceria com Konteiner e Central Única das Favelas (CUFA), realizou o evento em comemoração a data
Foto: Selma Souza/Voz das Comunidades
Foto: Selma Souza/Voz das Comunidades

Explorar a arte através de iniciativas e projetos sociais que auxiliam no incentivo cultural com apresentações e ações artísticas são presenças essenciais no desenvolvimento e no cotidiano dos moradores nas comunidades cariocas, disponibilizando novos caminhos, possibilidades e experiências para toda população local.

Comprometidos em construir e fortalecer essa realidade no Complexo da Penha e do Alemão, a ONG Voz das Comunidades, em parceria com o Konteiner e a Central Única das Favelas (CUFA), realizou, durante esta quinta-feira (04), o evento social “Dia da Favela”, em referência a data comemorativa instaurada em 2006 na cidade do Rio de Janeiro.

Com uma programação agitada, onde incluí shows, DJs e orquestra musical, o encontro aconteceu na sede da casa noturna. A grade de exibições artísticas contou com os nomes dos grupos e projetos sociais The Street Flow, Vidançar, Favela é Fashion, Na ponta dos Pés, Talentos do Morro, Pipas Labs e Ação Social pela Música.

Orquestra ASM Brasil – Ação Social pela Música
Foto: Selma Souza/Voz das Comunidades

Para os alunos do projeto social The Street Flow, do Complexo do Alemão, a possibilidade de se expressar através de movimentos característicos da cultura do Hip-Hop é uma oportunidade única na vida. Fundado em 2015 pelos amigos Flávia Fontes e JP Black, a iniciativa atende mais de 50 jovens na Zona Norte do Rio de Janeiro.

“Para nós, a dança não possui uma definição, pois ela representa muita coisa. E ter a oportunidade de se apresentar para a comunidade em um evento que comemora o Dia da Favela é extremamente importante. Mostra que a favela faz de tudo”, comenta Flávia.

Alunos do projeto se apresentaram no evento
Foto: Selma Souza/Voz das Comunidades

Uma data que representa a trajetória das comunidades no Rio de Janeiro é extremamente essencial, pois, segundo o Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), elas representam cerca de 22% da população carioca, com 763 periferias pela cidade carioca. E, para mostrar essa multiplicidade existente nesses espaços, o evento também contou com um desfile de moda através da iniciativa Favela é Fashion, que contou com a participação exclusiva de pessoas da favela. Além disso, a exposição Pipa Labs, que explora a criatividade artística a partir dos conceitos de identidade, participou do evento.

Para Geisa Pires, produtora cultural do Pipa Labs, colaborar com a exposição artística no Dia da Favela é a oportunidade perfeita de descobrir novos talentos e olhares sobre a arte e de si. “Na verdade, foi uma surpresa participar desta exposição artística. Quando o pessoal estava organizando, eu peguei uma máscara para pintar, mas sem pretensões dela ir para a coleção exposta. Aí desenhei na perspectiva de compartilhar um pouco das minhas características, me considero uma pessoa introspectivo e, ao mesmo tempo, comunicativa. Então, pintei esses dois lados na minha máscara”, comenta.

Geisa faz parte da equipe de Responsabilidade Social do Voz
Foto: Selma Souza/Voz das Comunidades


Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]