Organizações sociais do Jacarezinho se unem para ajudar mães afetadas pela pandemia

O objetivo é priorizar famílias que estão em maior vulnerabilidade social e são chefiadas por mães.
mãe pegando cesta

Neste mês de junho o projeto Jaca Contra o Corona, em parceria com a Fiocruz, intensificou ações destinadas a dar assistência à mães da favela do Jacarezinho afetadas pela pandemia do novo coronavírus, zona Norte da cidade do Rio.

O projeto Jaca Contra o Corona começou em março, no contexto inicial da pandemia do novo coronavírus, com a iniciativa de produzir materiais de informação e estratégias de comunicação em saúde que instrumentalizam ações educativas no combate ao coronavírus e ampliam o cuidado compartilhado no território. Quatro frentes que atuam na favela do Jacarezinho se uniram para pensar nestas ações emergenciais de combate à proliferação do vírus e as consequências socioeconômicas geradas por ele. Essa união se preocupou em atender famílias chefiadas por mães com filhos até 5 anos de idade, dando à elas prioridade nas entregas de recursos arrecadados, como máscaras, cestas básicas, kits de higiene. Para as mães com filhos até 2 anos de idade são entregues kits de bebê, compostos por fraldas e latas de leite em pó.

“Nós entendemos que esse atendimento é emergencial. Na comunidade, em muitas famílias a mulher é provedora do sustento da casa, e na maioria dos casos, a renda dessa mulher é feita de forma informal. Quando ela tem essa renda afetada, toda a família tem sua vivência desestabilizada. Entendendo também que é essa mulher que precisa ir ao mercado, que cuida dos seus filhos, e se movimenta pelo território da favela, tendo um maior risco de exposição ao vírus. Então através das nossas doações, nós buscamos garantir a alimentação dessas mulheres, das suas famílias, dos seus filhos, amenizando o impacto da Covid-19 na vida delas”, explica Mariana Santos, coordenadora financeira do Jaca Contra o Corona.

As frentes que compõem o Jaca Contra o Corona são: NICA (Núcleo Independente Comunitário de Aprendizagem, formado por uma equipe de professores voluntários), Jacaré Basquete, Jcré Facilitador (que promove cursos de maquiagem, cabeleireiro e modelagem), Residentes Multiprofissionais (vinculadas à Clínica da Família Anthidio Dias da Silveira, que é a unidade pública de saúde que atende a comunidade) e LabJaca (laboratório de comunicação, produção de dados cidadã e formação no Jacarezinho).

Atualmente, existem duas principais  frentes de campanha para arrecadação. A Benfeitoria, que a cada real doado tem o valor triplicado pelo Fundo Colaborativo Enfrente. A campanha do Agasalho, que com a gradual flexibilização das medidas de isolamento e com a chegada do Inverno será outra necessidade da comunidade, e com a qual serão distribuídos colchonetes, cobertores, agasalhos, meias e toucas em áreas mais carentes da favela do Jacarezinho e também para a população em situação de rua.

Ajude o Jaca Contra o Corona a continuar suas atividade que vêm sendo fundamentais a tantos moradores do Jacaré. Colabore também pelo link da Benfeitoria: http://benfeitoria.com/jacarezinhocontraocorona

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]