Prefeitura manda fechar comércios nas favelas do Rio

Por pelo menos 7 dias só poderão funcionar farmácias e mercados
396710cc-92de-4b50-bb9c-49a7a3a658d4

Foto: Matheus Guimarães / Voz das Comunidades

A medida determina que por pelo menos 7 dias as favelas do Rio tenham seus comércios fechados a partir desta terça-feira (12), como forma de conter a disseminação do novo coronavírus. Segundo o decreto, apenas farmácias e mercados poderão funcionar normalmente. Não se sabe ainda como será feita a fiscalização por conta das especificidades de cada favela. Rocinha é prioridade. A favela preocupa por estar em primeiro lugar nos casos confirmados e com o maior número de mortes por COVID-19.

“Muitas pessoas ainda não se deram conta da necessidade de evitar aglomerações, de ficar em casa, e somente sair para realizar trabalhos essenciais e atender a necessidades inadiáveis. Ao se exporem desnecessariamente, fazem o mesmo às demais pessoas, o que aumenta a propagação do vírus e a sobrecarga nos hospitais, aumentando o risco de mortes. Precisamos impedir que mais pessoas adoeçam e haja casos graves chegando às unidades de saúde do município. Nossa intenção é prevenir para salvar mais vidas e permitir que os hospitais tenham melhores condições de atender a todos”, afirmou Crivella.

As favelas do Rio estão sofrendo com as aglomerações que insistem em acontecer por falta de responsabilidade de algumas pessoas, e a consequência disso é o aumento de casos de pessoas infectadas pela COVID_19. Por isso lembre-se, o isolamento social é essencial para o retorno das nossas atividades, se puder fique em casa e não participe de aglomerações.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]