Projeto social doa cestas básicas para mães com filhos deficientes em Manguinhos

O objetivo é arrecadar 350 cestas básicas para suprir as necessidades dessas famílias
95756713_2752948191494774_5010523398862798848_n

O projeto Marias tem como objetivo contribuir para o empoderamento, formando uma rede de apoio, levando informações e melhorias para mães que tem filhos com deficiência e possibilitando assim o acesso nas áreas de educação, saúde, mercado de trabalho e benefícios sociais já garantidos por lei. O projeto existe desde 1998, quando Norma Maria teve seu filho Kevyn, que por conta de um erro médico nasceu com paralisia cerebral. Desde então, ela luta tentando melhorar a qualidade de vida dele e ajudando outras mães na mesma missão.

Cláudia Josepha, Norma Maria e
Bárbara Greco. Foto: Arquivo / Projeto Marias

Basicamente o Marias funciona em espaços públicos para aulas e oficinas. Porém, com a pandemia do Coronavírus e o isolamento social, as atividades tiveram que ser suspensas por segurança. Com isso, o projeto deu início a uma campanha que visa fortalecer as doações para essas mães, já que elas não preenchem requisitos exigidos pelo governo federal para obter o auxílio emergencial, por possuírem um benefício dos filhos especiais. 

“Os gastos são grandes, pois muitas mães têm outros filhos que estão em casa devido o isolamento e só esse benefício da criança especial não dá. Com essa campanha queremos arrecadar 350 cestas básicas para ajudar essas mães por três meses ou enquanto durar a pandemia”, explica a psicopedagoga e coordenadora do projeto.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]