Bloco “Se pirar a gente cuida” desfila nesta quinta-feira ao lado da UPA do Alemão

Em clima de protesto, bloco do CAPS promete lembrar crise que se encontra a saúde pública
120820a7-04af-4dcb-8d56-1474494e9fdf

O CAPS João Ferreira, unidade para acolhimento às crises em saúde mental, vai botar o Bloco Se Pirar a Gente Cuida na rua nesta quinta-feira (13), às 16h. A concentração será na Rua Engenheiro Manoel Segurado, n° 111, (ao lado da UPA do Alemão). A folia já acontece há quatro anos e vem garantindo a alegria dos pacientes psiquiátricos.

Bloco do CAPS já tem quatro anos. Foto: Voz das Comunidades

O grupo é formado por Mario Bertto, Luana Nunes (ex assistente social do CAPS), Cleiton Franklin, Márcia, Andrea, Leandro, Anna Paula Coimbra (fundadores), Jefferson (o ilustre Babu), Valmir Cordeiro (Representante do Bloco Cigana feiticeira de Olaria), Domingos (Compositor), além dos pacientes do CAPS, residências terapêuticas, unidade de acolhimento, CAPS Miriam Makeba, CAPS Fernando diniz e CAPS adjacentes. De acordo com os organizadores, cerca de 400 pessoas participam da folia, entre eles 150 são pacientes que se divertem bastantes.

“Este bloco é importante porque é nesta hora que eles conseguem ser vistos com naturalidade pela comunidade, todo mundo está junto, brinca junto.” comenta Mário Bertto.

Pacientes do setor psiquiátrico circulam as ruas do Adeus. Foto: Voz das Comunidades

Esses projetos são fundamentais para a inclusão social de pessoas com transtornos mentais, pois a interação ajuda no tratamento levando um pouco mais de afetividade e diversão. É preciso acolher e incluir essas pessoas, e esta não é uma tarefa só para aqueles que trabalham na área da saúde, mas também para os familiares e a sociedade.

Neste momento de distração a doença é esquecida e o sofrimento amenizado, permitindo que essas pessoas tenham oportunidade de se sentirem felizes.

Cerca de 400 pessoas são esperadas na festa. Foto: Voz das Comunidades

Para a realização do Bloco foi preciso uma força tarefa devido aos graves problemas que o sistema de saúde da cidade do Rio de Janeiro enfrenta. Com isso, o bloco não irá só levar distração aos seus pacientes, mas também protestar contra essa crise gravíssima que se encontra a saúde pública.

Os organizadores pedem o apoio da população para mostrar a indignação com o descaso com a saúde. “Juntos podemos levar alegria e lutarmos por direitos. Pedimos que os foliões venham de preto, escolham as cores de seus adereços e ocupem as ruas do Complexo do Alemão com muito samba e alegria. Aguardamos vcs!”

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]