Cadê Matheus Passareli – Theusa?

32A3D7EE-3AF4-4600-819A-A6C5A7A61DDD

Antes de começar abordar a questão da jovem Matheusa, gostaria de abrir um parêntese importante para um bom entendimento do texto. O agente aqui citado se identifica com não binário, ou seja,  entende-se que sua identidade de gênero não é nem de homem nem de mulher, mas sim em algo terceiro e exterior. Portanto há uma a grafia de adjetivos e pronomes para melhor corresponder à forma como se sente.

O estudante de Artes Visuais da UERJ Matheus Passareli, conhecide como Matheusa, está desaparecide desde  29 de abril. A única informação concreta que se tem, até então, é uma foto entregue aos familiares em que ela aparece andando próximo a uma comunidade na Zona Norte do Rio de Janeiro, por volta das 3 da madrugada de domingo, dia do suposto desaparecimento.

Seu irmão, Gabriel Passareli, que também se identifica como não binário e atende por Gabe, publicou em seu perfil do Facebook o anúncio do desaparecimento de Matheusa:

“Boa noite, gente. Matheus Passareli foi a um aniversário ontem (sábado), à noite, e desde as 2 da madrugada está desaparecide. O local é na região do Encantado, Piedade (perto do Méier). Já acionamos a polícia e um grupo de amigas está circulando e procurando. Contamos com todes para encontrarmos a Matheusa. Ainda estamos sem notícias.”

Amigos, familiares e amigos criaram uma página no Facebook chamada Cadê Matheus Passareli – Theusa?, para ser mais uma ferramenta de auxílio nas investigações. É importe lembrar que os internautas também podem ajudar compartilhando os anúncios feitos na página.

O deputado federal Jean Wyllys também se manifestou. Ele disponibilizou uma equipe no Rio para apoiar os parentes da Matheusa e entrou em contato com membros da Comissão de Direitos Humanos, da Rio Sem Homofobia, da Justiça Global, da Anistia Internacional e da própria UERJ.

“Ainda não podemos falar nada sobre as causas do desaparecimento da Matheusa, mas me preocupa muito, justamente pela falta de informação e por saber sobre a violência que os LGBTs estão expostos diariamente. Estou em Brasília, mas minha equipe no Rio está atuando no caso e segue me informando sobre as providências que estão sendo tomadas.” disse Wyllys.

Qualquer informação a respeito da localização do estudante, favor informar pelos seguintes canais: WhatsApp ou Telegram do Portal dos Desaparecidos (21) 98849-6099; Central de Atendimento do Disque Denúncia (21) 2253-1177; página do Facebook (in-box) Desaparecidos; e pelo aplicativo Disque Denúncia RJ.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]