Campanha #TheSente mobiliza pessoas na preservação de imóveis históricos de Teresina

IMG_6764.JPG

Um grupo de universitários iniciou a campanha #TheSente, na intenção de chamar atenção dos governantes e da população em geral sobre o que empresários estão fazendo em alguns imóveis do Campanha #TheSente mobiliza pessoas na preservação de imóveis históricos de Teresina. Algumas casa, com construções bem antigas estavam sendo demolidas, ora pra se criar estacionamentos, ora pra aumentar hospitais da região do polo de saúde da cidade. Eles ocupam uma residência histórica localizada na Rua Felix Pacheco, 1799 pra evitar que a mesma seja demolida, já que era o novo alvo.

Segundo Jimmy Charles, um dos denunciantes, O CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo) vistoriou a casa e vai acionar o Ministério Público. O IPHAN também entrou na pauta. “O pessoal da comunidade nos entornos da casa está todo a nosso favor. Uma senhora preparou a comida, outra forneceu energia, a galera limpou a casa”, completa Jimmy, que mesmo trabalhando, arruma tempo para manter a história dos casas antigas de Teresina viva.

Já o estudante de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Piauí, Emerson Mourão, um dos líderes do movimento, diz que Teresina está com Alzheimer, “A nossa luta é a de preservar essa memória. Teresina está com Alzheimer. No esquecimento. Embora seja uma cidade jovem, com pouco mais de 160 anos, o seu pouco patrimônio vem sendo esquecido e até destruído. Queremos acabar com essa destruição, que acaba com nossa memória”.

A SDU Norte embargou a casa proibindo qualquer pessoas ou empresa de mexer na sua estrutura, e que o batalhão ambiental incluiu a casa em sua rota para protegê-la. As denúncias se estendem por todo o centro da capital Piauiense, o movimento cresce e a memória histórica de Teresina é quem agradece tamanho esforço desses heróis anônimos.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]