Carnaval: Conheça o bloco Unidos do Complexo do Alemão

10364084_290991287727411_7593763005666014330_n

Unidos agora! Mas antes viram de perto o fim do Paraíso

Depois de algumas discussões e divergências de opiniões, aquilo que parecia ser o fim de um projeto, deu início a um símbolo de resistência e amor pelo samba. Foi assim que começou a história do bloco Unidos do Complexo do Alemão, conhecida anteriormente como Paraíso da Alvorada.

A escola de samba, que foi criada no dia 22 de agosto de 2002 possuía sua sede na comunidade da Alvorada e as cores que tingiam sua bandeira, eram o preto, amarelo e vermelho. A Paraíso, que desde 2004 foi integrada a desfilar no Grupo E, realizou um grande trabalho em toda a sua história ganhando no ano de 2010 o Troféu Jorge Lafond de melhor enredo, porém no final do mesmo ano a escola começou a entrar numa maré ruim. O presidente da escola na época entregou o cargo e vieram novas dificuldades. A escola tentou resistir por mais alguns anos e em 2012, por conta de problemas financeiros a escola não desfilou e foi rebaixada ao grupo 1 dos blocos.

Muitos de seus integrantes não concordavam com a gestão do antigo presidente o que gerava diversas discussões. Movidos pelo amor ao samba, o antigo diretor de bateria Luis Claudio Soares junto com mais quatro remistas não aceitaram ver o vim da escola, então nasceu o bloco Unidos do Complexo do Alemão que completa 7 anos no dia 15 de julho. São sete anos de pura resistência por amor ao samba, embora o bloco precise muito, todos os desfiles realizados foram sem patrocínio financeiro e tudo é feito com dinheiro do bolso dos próprios integrantes.

Atualmente o Unidos do Complexo do Alemão se concentram todo o ano na quadra da Nova Brasília e dali saem para espalhar a folia pelas ruas fazendo o carnaval da comunidade. Em breve, o bloco vai divulgar as datas para 2019.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]