Crise na saúde: Caps João Ferreira pede socorro em carta à população do Rio

IMG-20190201-WA0106

Nós, trabalhadores do Caps João Ferreira,
vimos por meio desta, comunicar à população do Rio de Janeiro, a precariedade estrutural e dos vínculos empregatícios a que estão sendo submetidos os profissionais e usuários deste serviço.

Temos nos deparado diariamente com inúmeras situações, como :
-Infestação de baratas
-Queda de luz
-Estrutura física necessitando de reparos
-Vários ar-condicionados que já não funcionam há mais de 1 ano

Vale ressaltar que trabalhamos numa estrutura de Container, no qual não possuímos nenhuma janela ou ventilação natural .

A falta de manutenção estrutural gerou o alagamento da parte interna do serviço atingindo diretamente leitos, arquivos e colocando em vulnerabilidade as instalações elétricas e também os trabalhadores e usuários acolhidos.

Estamos também com falta de mobiliário e insumos básicos para condução de um cuidado minimamente digno.

Nossos salários estão sofrendo atrasos recorrentes desde o início da gestão do prefeito Marcelo Crivella. Destacamos que até a presente data, não recebemos o salário referente ao mês de dezembro.

Consideramos esta situação gravíssima, pois a mesma provoca a redução da capacidade da equipe de acompanhar as pessoas com transtorno mental grave e em sofrimento psíquico, de acolher as crises psiquiátricas e apoiar as equipes das Clínicas da Família, nesta tarefa. Além de dificultar nossas ações de reinserção social de pacientes de longa permanência, em Hospitais Psiquiátricos.

Basta!
Nenhum Serviço de Saúde a Menos!
Em defesa do SUS e da Reforma Psiquiátrica!

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]