“É o início de um ‘Black Lives Matter’ ”, afirma especialista sobre ato contra a violência na Maré

IMG_8139

Manifestação pacífica reúne moradores, artistas e ativistas sociais

A ‘Marcha contra a violência na Maré’, realizada na tarde desta quarta-feira, 24/05, no Complexo de favelas da Maré, reuniu moradores, artistas como o ator Caio Blat, ativistas sociais e a imprensa. O grupo caminhou da Praça do Parque União até o local conhecido como “divisa”, um dos palcos de episódios de guerra que no ano passado deixou 17 mortos, e esse ano já contabiliza 29 feridos, segundo dados dos organizadores.

O ato foi organizado pelo fórum “Basta de Violência! Outra Maré é possível”, composto por comerciantes, líderes religiosos e moradores da Maré. A caminhada ocorreu de maneira totalmente pacífica.

Em um palco, artistas locais e de outras favelas, como a MC Martina, do Complexo do Alemão, se apresentaram. Em seguida, líderes das associações de moradores e familiares das vítimas também deram seu depoimento e pediram o basta de violência.

A Maré, composta por 16 comunidades, vive, além do conflito dos traficantes com policiais, a guerra entre duas facções criminosas rivais. Silvia Ramos, especialista em segurança pública, que estava presente na manifestação, afirmou que foi um dia histórico e surpreendente. “Pra mim o saldo de hoje é totalmente positivo. O que a gente demonstrou aqui mais uma vez, com a presença de moradores e pessoas de fora, é que a vida das pessoas que moram na favela importam e que estamos atentos a isso. O início de um verdadeiro “Black Lives Matter” (“As vidas dos negros importam” – movimento contra a violência policial aos negros dos Estados Unidos.) carioca”.

Sobre as perspectivas de um projeto eficaz de segurança para o Rio de Janeiro, a especialista não está otimIsta. Diz que dava para reinvestir em um projeto de polícia comunitária, de proximidade, mas avalia que isso não aconteceria por falta de interesse de autoridades. “Tem muita gente interessada na falência da UPP. Para algumas autoridades a favela não merece a presença da polícia. Alguns chegam a dizer que quando colocamos policiais nas favelas temos menos deles no asfalto”.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]