Enfermeira é encontrada morta dentro de sala no HGE

(Crédito: Divulgação)
(Crédito: Divulgação)
(Crédito: Divulgação)
(Crédito: Divulgação)

Gustavo Lopes
Com Assessoria

A auxiliar de enfermagem Agnilza Maria da Silva, de 67 anos, foi encontrada morta dentro da sala de descanso destinada aos funcionários do Hospital Geral do Estado (HGE), no bairro do Trapiche, em Maceió, por colegas de turno. O fato foi regitrado na noite da última quinta-feira (19), por volta das 18h.

De acordo com a assessoria, teria encerrado as atividades quanto teve um infarto fulminante. Ainda segundo a assessoria, várias tentativas de reanimação foram feitas, mas a vítima já estava sem vida.

O presidente do Sateal, Mário Jorge Filho, lamentou a morte da auxiliar e informou que vai solicitar que a direção do HGE apure em que circunstâncias a mesma aconteceu.

“Vamos também pedir para que a direção nos informe se Agnilza estava cumprindo jornada extra de trabalho, comunicando o caso à Procuradoria do Trabalho, já que ainda não temos mais informações sobre a morte da Agnilza”, afirmou o presidente.Em nota, a direção do HGE lamenta o fato.

Confira a nota na íntegra:

“A Direção do Hospital Geral do Estado (HGE) lamenta o falecimento da servidora Agnilza Maria da Silva, que dedicou 34 anos de sua vida ao serviço público.

Ontem (19), no final do seu turno de trabalho, ela sofreu uma infarto fulminante. A vítima foi socorrida, foram feitas manobras de ressuscitação, mas ela não resistiu e faleceu.

Ao tempo que lamentamos, desejamos conforto para familiares e amigos neste momento de dor.”

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]