Estacionamento irregular preocupa pedestres e motoristas na área da UPA DO ALEMÃO

Moradora do Morro do Adeus, Jéssica Ferreira, 25, não concorda com estacionamento de carros na calçada em frente a UPA do Complexo do Alemão: – Se a calçada foi feita pro pedestre e tá cheio de carro, por onde a gente vai passar? É um absurdo! Eu já passei inúmeras vezes pelo meio da rua, correndo risco de ser atropelada na perigosa Estrada do Itararé – reclama Ferreira.

Em Maio do ano passado, a jornalista Marcella Melo, escreveu uma matéria relatando o problema vivido por moradores da região, mas nada mudou. As calçadas ainda não são dos pedestres, apesar de ter sido título na capa da edição 45 do VOZ. ­


Jessica passa diariamente com seu filho pelo caminho e sempre se arrisca pela rua – Foto: Rene Silva

Pra moradora do Condomínio Palmeiras, Michele Seixas, 30 anos, o problema é um grande perigo pra quem passa pelas ruas: – Devia ter pelo menos um guarda-municipal nessa área, porque a gente fica sem opção e se arrisca muito!

O OUTRO LADO DA HISTÓRIA

Uma paciente da UPA que estacionou o carro no momento da matéria, reclama da falta de espaço pra estacionar, quando vai buscar atendimento na unidade de saúde. Segundo a paciente que não quis se identificar, quando ela tentou estacionar dentro, não foi autorizado. Pediram pra por na calçada.

SEM RESPOSTA

A Subprefeitura da Zona Norte já foi informada sobre o problema, mas não responderam sobre a solução. Eles apenas informaram que existem guardas municipais e até mesmo policiais militares com autonomia pra multar os veículos estacionados irregularmente.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]