Fotografia de Bruno Itan é pintada na Holanda

30821402_1259772287486737_3728953716458700481_o

O fotógrafo Bruno Itan, morador do Complexo do Alemão, mais uma vez ultrapassou as fronteiras do Brasil

Bruno, que já expôs suas fotos na Alemanha junto com os companheiros do Foto Clube Alemão, agora tem sua fotografia pintada na Holanda. A imagem da criança com o dizer “paz” escritos em sua testa, foi reproduzida pelos artistas holandeses Karski e Beyonds em Amsterdã.

“O artista entrou em contato comigo e me pediu autorização para fazer as fotos. Com esse projeto ele ajudaria favelas aqui no Rio de Janeiro”. Afirma Bruno.

A projeção é reflexo do seu trabalho diferenciado sobre o cotidiano das comunidades. Apesar de cobrir conflitos em favelas do Rio de Janeiro, Bruno sempre coloca em suas fotografias, a visão de quem está do lado de dentro. Suas imagens são regadas de um olhar que vai além da situação de desespero.   

“A intenção é mostrar o lado lúdico da favela, esse lado diferente, para a gente tentar disseminar a cultura da fotografia na favela”, revela Bruno.

Natural de Recife, Bruno veio para o Rio de Janeiro ainda criança, em busca de uma vida melhor. Fotógrafo desde 2008, o jovem precisou trabalhar em um lava-jato para comprar a primeira câmera. Junto com Dhani Borges, seu professor de fotografia, fundou o Foto Clube Alemão.

Atualmente, o fotógrafo é o cabeça do projeto fotográfico “Olhar Complexo”, onde ministra aulas de fotografia para moradores da região de forma voluntária. O curso é gratuito e acontece no CRJ Alemão (Centro de Referência da Juventude) localizado atrás da Escola Municipal Tim Lopes.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]